Do embate ferrenho na Arena, com vitória gremista por 1 a 0, à pressão de dirigentes nos bastidores da Conmebol, a final da Libertadores ganha contornos ainda mais tensos do que o natural com os atritos entre Grêmio e Lanús. O ambiente polêmico, porém, não chega a contagiar o vestiário de Renato Portaluppi. Distantes das trocas de farpas, os atletas até engrossam o coro de reclamações com a arbitragem e projetam um ambiente hostil em La Fortaleza no duelo da volta, na próxima quarta-feira. Mas relegam as discussões apenas aos cartolas.

Entre os jogadores, o clima é de mobilização e foco total nos 90 minutos a ser disputados em solo argentino, com um vestiário blindado das questões extracampo. As movimentações feitas pela diretoria, que foi ao Paraguai para defender os interesses do clube junto à entidade, ficam longe do centro das atenções dos jogadores.

– Temos que deixar para a diretoria. Espero só que a Libertadores seja decidida com o melhor em campo. Acho que o futebol sul-americano tem que começar a mudar nosso pensamento, não pode entrar em uma partida preocupado em jogar bem e se vai acontecer alguma coisa. Tem que apresentar o futebol, e que o homem de preto seja bem regular na partida, que vença o melhor. É só o que pedimos – afirma Cícero, autor do gol da vitória no primeiro confronto da decisão.

Grêmio se blinda contra polêmicas extracampo (Foto: Lucas Uebel/Divulgação Grêmio)

Mesmo distantes das polêmicas dos bastidores, os atletas esperam, claro, um ambiente quase bélico no jogo da volta, fora de casa. Não à toa, o grupo se sustenta em sua própria união para superar as adversidades do confronto na Argentina. A delegação gremista viajará completa, até com os lesionados Maicon, Marcelo Oliveira e Douglas e o suspenso Kannemann – todos líderes do elenco.

– Qualquer estádio que você vá é difícil ser bem recebido. Ninguém chega com tapete vermelho. Com a gente, não vai ser diferente. Tem que ir focado, todo mundo sabendo que vai ser dificil. É um grupo vencedor. Se pegar alguns jogadores, a maioria já passou por time grande e foi campeão. Temos um cara que é o Renato, as coisas funcionam com ele. É um título que todo o jogador sonha. A gente sabe que vai ser difícil – ressalta o volante Cristian.

Os jogadores tratam de deixar de lado o ambiente de revolta com a arbitragem que tomou conta do vestiário gremista após o jogo da ida, com direito a pressão excessiva aos árbitros. Ainda na Arena, jogadores, dirigentes e o técnico Renato Portaluppi reclamaram com veemência da atuação de Julio Bascuñan ao longo da partida.

Jogadores do Grêmio deixam reclamações com a arbitragem no passado (Foto: Diego Guichard)

O principal alvo da bronca do Grêmio tem a ver com o pênalti não assinalado em Jael, no último lance do duelo, em que o recurso do árbitro de vídeo sequer foi utilizado. Na entrevista coletiva, o treinador disse que até o cantor cego Stevie Wonder teria visto o pênalti. Mas logo em meio à revolta, já tratou de deixar o assunto à diretoria, numa blindagem imediata ao elenco.

– Falarei o que da arbitragem? Deixarei para o presidnte e a diretoria. Eu não gosto de falar da arbitragem. A única coisa que perguntarei para a Conmebol é sobre o tal do vídeo. O árbtiro estava a três metros. O pênalti foi legítimo. Ele não estava encoberto por ninguém. O Stevie Wonder não precisaria de árbitro de vídeo. Poderíamos ampliar nossa vantagem. Não precisava de vídeo – afirma o treinador.

Mas a bronca com a arbitragem foi só o início da polêmica. O Grêmio prometeu – e cumpriu – ir à Conmebol para deixar registrado seu protesto por “lisura” na decisão. Nesta terça-feira, o presidente Romildo Bolzan e o executivo André Zanotta estiveram na sede da Conmebol para tratar das pautas do interesse gremista. O clube também protocolou um pedido para anular o cartão amarelo de Kannemann, suspenso na final.

Romildo Bolzan Júnior e Nicolás Russo, os presidentes de Grêmio e Lanús (Foto: Lucas Uebel/Grêmio)

Do lado do Lanús, também houve reclamação com o árbitro. O presidente Nicolás Russo chegou a dizer que Renato gosta de “circo”, por suas declarações fortes. E mais. O Granate pretende apresentar queixa à Conmebol pelos maus-tratos a seus torcedores no jogo de ida, no entorno da Arena.

Nesta sexta-feira, uma última polêmica ainda conturbou o ambiente. Um vídeo divulgado nas redes sociais expôs um atrito entre o goleiro Andrada e um gandula. Nas imagens,o arqueiro tentar tirar a bola das mãos do homem, ambos se chocam, e o gandula cai no gramado. Em seguida, o gandula corre atrás do goleiro, que salta novamente as placas e retorna ao campo de jogo.

Todo esse contexto faz o Grêmio redobrar a segurança de sua delegação em solo argentino. O clube também toma cuidados com os torcedores que irão a Lanús, com orientações específicas para ir ao La Fortaleza. Após a vitória por 1 a 0 na ida, o Tricolor joga por um empate na próxima quarta-feira, às 21h45, para erguer o tri da América.



Veja também