Foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPA

Mesmo com o rebaixamento para a Série B, o Grêmio se protege para não perder mais talentos em 2022. A ampliação do contrato de Ferreira até 2024, na quarta-feira, mostra o tamanho que o clube dá ao atacante, alvo de cobiça de outros clubes, para ser o fiador da caminhada para retornar à elite do futebol brasileiro.

O antigo vínculo do camisa 11 expirava em 2023. A discussão, que foi travada por um longo tempo, permitiu que Ferreira recebesse um incremento nos vencimentos, e o Grêmio se defende do assédio com uma multa mais inchada. Os valores são mantidos em sigilo pelas partes.

Um dos clubes que colocou Ferreira no radar foi o Flamengo. Os cariocas sondaram o jogador de 24 anos, já que Michael recebeu uma oferta do Al Hilal, da Arábia Saudita, e pode necessitar de um substituto.

Antes, Ferreira atraiu os holofotes dom Dínamo Kiev, da Ucrânia, Atlanta United, da MLS, e Al Ain, dos Emirados Árabes. Ainda assim, o Grêmio resistiu e o manteve em Porto Alegre no último dia da janela de transferências passada.

O fato de conseguir frear o assédio chancela a confiança que o Tricolor tem no camisa 11. Ferreira, ainda que tenha passado por relações atribuladas com a direção em determinados momentos, conquistou seu espaço. Principalmente após a venda de Pepê ao Porto.

Polêmicas com Renato, Felipão e direção

A retomada do bom momento para Ferreira teve início em meados de agosto. Durante recuperação de uma lesão no joelho direito, o jogador esteve próximo de deixar o clube.

Naquele momento, houve uma rusga pública entre o então técnico Felipão e Ferreira. O treinador afirmou que o atacante não havia aparecido em algumas sessões de tratamento e condenou o comportamento em entrevista coletiva.

Depois, acolheu o jogador, apesar das cobranças. O clube costurou a permanência justamente para ter nele um diferencial na briga contra o rebaixamento, o que não foi evitado ao fim do ano.

Pazes foram seladas com Felipão em jogo contra o Ceará — Foto: Eduardo Moura

Pazes foram seladas com Felipão em jogo contra o Ceará — Foto: Eduardo Moura

Ainda antes, no início de 2020, o atacante envolveu-se em um imbróglio com a direção que foi parar na Justiça do Trabalho. Como as partes não chegaram a acordo para renovação contratual, ele acabou afastado do elenco principal pelo técnico Renato Portaluppi.

Ferreira entrou na Justiça para tentar o rompimento do vínculo, o que foi retirado mais tarde após uma reaproximação entre Grêmio e seu estafe. Somente em setembro daquele ano veio a confirmação do acerto para a renovação.

Em um novo momento, agora com contrato até 2024, Ferreira busca melhorar os números e liderar o Tricolor. No ano passado, balançou as redes 14 vezes, além de contribuir com 13 assistências. Ao longo da passagem pelo Grêmio, acumula 97 jogos, com 19 gols e 17 assistências.



Veja também