Ainda que não faça nenhum movimento, nos bastidores o Grêmio já admite interesse de ficar com o atacante Miguel Borja em definitivo. Porém, o clube planeja decidir se efetiva a compra com o Palmeiras apenas em 2022.

Borja está emprestado pelo Palmeiras até dezembro do ano que vem. O Tricolor pagou cerca de R$ 6 milhões ao Verdão e arca com todo o salário do centroavante.

No contrato de empréstimo, há uma opção de compra no valor de US$ 2, 75 milhões (R$ 14,6 milhões na cotação atual). Importante: a cifra pode ser paga antes do prazo.

Borja é o artilheiro do Grêmio no Brasileirão — Foto: Lucas Uebel/Divulgação Grêmio

Borja é o artilheiro do Grêmio no Brasileirão — Foto: Lucas Uebel/Divulgação Grêmio

Entretanto, a próxima janela de transferências pode reservar um capítulo a mais nessa história. O Grêmio tem a chamada “primeira recusa”. É um gatilho contratual que dá direito ao Tricolor de cobrir uma possível proposta de compra de outro clube por Borja junto ao Verdão.

Simplificando: se algum clube apresentar ao Palmeiras uma proposta de compra por Borja, o Grêmio tem o direito de cobrir a cifra apresentada e comprar o atacante antecipadamente. Se não cobrir e o Verdão aceitar, o atacante pode deixar a Arena.

Titular do ataque gremista, Borja já tem nove jogos pelo novo clube e quatro gols anotados. Toda vez que balançou as redes, decretou uma vitória no Brasileirão – 12 pontos de 22 do time na competição. O próximo compromisso será no domingo, contra o Athletico-PR, na Arena da Baixada.



Veja também