Grêmio acusa Barcelona de “pirataria” e promete ir à Fifa

Garoto de 10 anos da base gremista deixou Porto Alegre para morar na Espanha no começo do ano

15 de março de 2017 - Às 06:03
Foto: Victor Salgado / Barcelona

O Grêmio promete ir à Fifa para denunciar o Barcelona pelo suposto aliciamento de um garoto de 10 anos, que jogava na base do clube. O caso foi confirmado pelo diretor jurídico do Grêmio, Nestor Hein, em entrevista à Rádio Guaíba nesta terça-feira.

Nestor Hein relatou que o Barcelona convidou o garoto Emanuel Ferreira, o Manu, e seu pai para conhecerem as instalações do clube no ano passado. Na viagem, Manu chegou a se encontrar com Lionel Messi e Luís Suárez. No começo deste ano, o garoto não se apresentou no CT do Cristal, na zona Sul de Porto Alegre, onde treinam as escolinhas gremistas.

De acordo com Hein, Manu e o pai viajaram para a Espanha para o garoto poder jogar nas escolinhas no Barcelona. Manu é natural do Maranhão e estava no Grêmio desde 2014. Seu pai havia sido contratado para trabalhar como segurança no clube.

O diretor jurídico do Grêmio diz que o Barcelona cometeu um ato “vigarista” para tirar o garoto do clube. “Nós vamos à Fifa. Não é a primeira vez que o Barcelona faz isso. Foi um ato vigarista patrocinado por um clube que tenho uma admiração pelo estilo de futebol, mas não pelos seus dirigentes, que são vigaristas e piratas”, disse Nestor Hein.

Pela idade, Manu não poderia assinar um contrato de vínculo com o Grêmio. “Nessa idade eles têm um registro federativo da CBF, mas que não dá ao Grêmio direitos econômicos. Só a partir dos 16 anos é que podem assinar o contrato”, explicou Hein.

Em 2014, o Barcelona foi punido pela Fifa por irregularidades na contratação de jovens jogadores, com menos de 18 anos. A pena foi a proibição de contratar jogadores por duas janelas de transferências europeias.



Veja também