Foto: Lucas Uebel/Grêmio

O Grêmio largou na frente na decisão do Campeonato Gaúcho ao derrotar o Ypiranga por 1 a 0 em Erechim. Após mais um resultado positivo, a avaliação da direção e do técnico Roger Machado é de que o time encontrou um “ponto de equilíbrio” na forma de atuar dentro das possibilidades do atual elenco, mas que é preciso evoluir para a disputa da Série B.

Nas análises internas do clube, o momento da guinada foram os dois Gre-Nais pelas semifinais do Gauchão, nos quais a equipe teve atuações mais consistentes, com vitória por 3 a 0 no Beira-Rio e derrota por 1 a 0 na Arena. Autor do gol contra o Ypiranga no sábado, o volante Lucas Silva foi o primeiro a externar que o time passou a entender melhor a proposta de Roger nos duelos contra o rival.

Os clássicos consolidaram as ideias de um estilo de jogo baseado no contra-ataque, com o meia Campaz na ponta direita, um atacante de velocidade na esquerda (Elias ou Ferreira) e um trio de meio-campo com boa capacidade de marcação e de condução para o ataque (Villasanti, Lucas Silva e Bitello), com Diego Souza na referência na frente.

– Temos a estrutura e podemos fazer o que fiz hoje (sábado), quando tirei o Bitello e coloquei o Gabriel (Silva) por dentro. Alteramos as características da função e ficamos com um meio-campo com mais retenção de bola. Diferente de um meio-campo mais forte, que roubava e contra-atacava tendo um meia-ponta que é o Campaz pelo lado e um atacante de velocidade pelo outro. É um dos caminhos possíveis, porém tem muita coisa a amadurecer dentro desses princípios, cada uma à sua maneira. Mas para esse momento encontramos o ponto de equilíbrio — disse Roger após o jogo em Erechim.

Ainda sobre a estrutura da equipe, ao abordar a sintonia entre seus jogadores, Roger falou sobre Campaz, que foi mais uma vez titular e começa a se destacar, e o posicionamento de Diego Souza, um dos artilheiros do time no ano, mas pouco abastecido em Erechim.

– (Campaz) É um jogador jovem, precisa de segurança para jogar. Por vezes o Diego perde a bola para que possamos utilizar ele melhor nessa transição, no pivô. É um ajuste, jogadores estão se conhecendo nessas funções. Campaz não jogava ali como meia-ponta. Mas é o entrosamento do dia a dia que vamos encontrar esse time que às vezes foge durante o jogo – analisou.

Ainda que pareça ter encontrado um caminho para o restante do ano, o Grêmio entende que será preciso evoluir. Questionado se via o time pronto para a disputa da Série B, o vice de futebol Denis Abrahão afirmou que não. Até porque reforços devem chegar – o dirigente projetou mais três contratações – e o time possivelmente terá que ter uma postura mais propositiva contra a maioria dos rivais na segunda divisão.

– Não (está pronto). Estamos trabalhando muito e vamos trabalhar até a estreia da Série B. Não está pronto, longe disso. Temos que trabalhar muito, estudar o plantel, ver as deficiências. O titulo gaúcho é importante, mas somos sabedores das nossas dificuldades, de onde estamos bem e onde tem que melhorar. Tudo isso está sendo trabalhado de forma concisa no departamento de futebol do Grêmio – afirmou.

Antes da Série B, o Grêmio concentra foco no jogo de volta contra o Ypiranga em busca do penta no Gauchão. Para ser campeão, o Tricolor pode até empatar o jogo da volta, além de ficar com a taça com qualquer vitória. Derrota por um gol leva a decisão para os pênaltis. A partida ocorre no próximo sábado, às 16h30, em Porto Alegre.



Veja também