O futuro do Campeonato Gaúcho continua incerto. Na tarde desta terça-feira o governador do Estado, Eduardo Leite, recebeu no Palácio Piratini o presidente da Federação Gaúcha de Futebol (FGF), Luciano Hocsman para uma reunião sobre o retorno do futebol. No encontro, ficou descartado retomar o a competição no mês de maio. A Federação apresentou uma minuta com um protocolo para as partidas.

Presidente FGF, Luciano Hocsman, se reúne com governador do RS, Eduardo Leite — Foto: Reprodução / Governo RS

Presidente FGF, Luciano Hocsman, se reúne com governador do RS, Eduardo Leite — Foto: Reprodução / Governo RS

Também estiveram presentes na reunião o secretário estadual do Esporte e Lazer, João Derly, o vice-governador, Ranolfo Vieira Júnior, e o chefe de gabinete, Paulo Morales.

— Vamos avaliar esse protocolos sugeridos pela federação e considererar no proximo decreto, que vem a ser até a sexta-feira. Qual é o grande desafio aqui? O que torna especialmente difícil conseguir enxergar neste momento um retorno seguro ao futebol. É que o campeonato estadual precisa de uma regra uniforme no território. E o novo protocolo justamente vai não pela uniformidade do Estado, mas sim pela regionalização — afirma o Governador do Estado, Eduardo Leite.

“Maio não tem condições, até pelas questões do retreinamento. Sabemos que tem cidades que não autorizaram qualquer atividade. No mês de maio posso afirmar que não tem como jogar futebol” (Luciano Hocsman, presidente da FGF)

Hocsman relatou que a reunião tratou de protocolos criados pela Federação para um eventual retorno às atividades. Número reduzido de pessoas, com no máximo 180 participantes já contando a delegações dos clubes e testes aos atletas antes da primeira rodada de reinício estão entre as medidas. Tudo isso será avaliado pelos órgãos estaduais a partir desse encontro.

Luciano Hocsman, presidente da Federação Gaúcha de Futebol — Foto: Eduardo Moura

Luciano Hocsman, presidente da Federação Gaúcha de Futebol — Foto: Eduardo Moura

A FGF disponibilizaria a todos os clubes 50 testes no momento de retorno aos treinamentos e também outros 50 para o reinício da competição. Após o final da fase classificatória, seria analisado a necessidade de nova bateria de testes.

— Colocamos questão da chegada do campo de jogo, posicionamento, de ônibus, transporte das delegações, uso de máscara no período antes da competição, quantitativos de delegação, de operação. Apresentamos a ideia da FGF quanto ao quantitativo de testes e momentos destes testes. Disposição da imprensa no entorno do gramado e algum cenário de datas possíveis, que entendemos por não fazer qualquer tipo de previsão, queremos fazer uma coisa de cada vez e o cenário vai mudando dia a dia — destacou Hocsman ao GloboEsporte.com na saída da reunião.

O governador também projeta um futuro incerto, afirmando ser “impossível” prever os próximos meses no estado, relacionado aos casos de coronavírus, o que impacta diretamente no retorno ou não do Campeonato Gaúcho.

— Mesmo que retomássemos o campeonato agora, ele levaria mais dois meses para ser concluído, entre tempo preparatório, de remobilização, os treinos e o período necessário para os jogos. Absolutamente impossível neste momento conseguir fazer uma projeção do que teremos efetivamente pelos próximos dois meses — afirma Leite.

O Campeonato Gaúcho está suspenso desde o dia 16 de março, após o encerramento da terceira rodada do returno. Na tarde desta terça-feira, Grêmio e Inter retornaram aos treinos presenciais.



Veja também