Frase enigmática de Renato dá margem para surpresas contra o Flamengo

Questionado sobre mudanças táticas, técnico declarou que "tudo pode acontecer" até a semifinal

21 de outubro de 2019 - Às 12:08
Jarbas Oliveira / Gremio,Divulgação

O pouco, quase nada, que o técnico Renato Portaluppi falou após a derrota para o Fortaleza no sábado (19) sinalizou que o Grêmio pode surpreender contra o Flamengo, na quarta-feira (23), no Maracanã, pela semifinal da Libertadores — esteja essa surpresa na escalação ou no esquema tático.

Poucos minutos depois da derrota de virada por 2 a 1 no Castelão, Renato foi lacônico ao ser questionado insistentemente sobre as condições físicas de Luan e de Jean Pyerre.

— Até quarta-feira, não vou dar nenhuma informação sobre jogadores machucados. Até porque não vem nenhuma informação lá do outro lado — declarou Renato, possivelmente se referindo às lesões do Flamengo, como o caso de Rafinha, lesionado em um osso do rosto. Perguntado pelo repórter Eduardo Gabardo se pode haver alguma alteração tática, o técnico foi igualmente breve, mas enigmático:

— Gabardo, tudo pode acontecer na próxima quarta-feira.

Diante desse cenário completamente aberto, quais são os fatos concretos?

O primeiro é que Luan luta contra o relógio. Depois de sair aos 27 minutos do segundo tempo contra o Bahia, o atacante pouco falou, nada treinou e foi visto mancando pelos corredores do Castelão. O maior temor é o agravamento da fascite plantar, inflamação na sola do pé que é velha companheira do Rei da América de 2017. Nem ele nem Jean Pyerre estiveram no banco de reservas em Fortaleza.

Outros fatos concretos estiveram em campo no Ceará, mas só serviram para reforçar as hipóteses do lado de fora. Na lateral direita, Galhardo demostrou que sua única credencial, a bola parada, mesmo quando é eficiente como na falta do gol do Grêmio, por vezes, não compensa as deficiências técnicas defensivas.

O “plus a mais” foi o cartão vermelho infantil ao final da partida. Paulo Miranda tampouco pareceu ser boa opção. Mesmo com atuações irregulares, o Grêmio deve mesmo ir de Leonardo Moura enquanto o lateral aguentar. Ele completa 41 anos na quarta-feira.

— Olha, eu estou preparado — resumiu Léo Moura ao ingressar no ônibus para deixar o estádio, no sábado.

Michel, uma hipótese para reforçar a marcação e a experiência do meio-campo no Maracanã, demonstrou não estar em sua melhor forma. Maicon e Matheus Henrique deverão formar a dupla de volante. Maicon, que entrou apenas no segundo tempo do primeiro jogo da semifinal, na Arena, declarou estar em plenas condições.

— Eu estou 100%. Treinei de manhã e depois do jogo — disse o volante na saída do estádio.

Mais à frente, as certezas são menores. Ao menos em companhia pouco inspirada, Thaciano não funcionou como dublê de Luan. Se ele estiver sem condições e Jean Pyerre não for um coelho bem escondido na cartola, as hipóteses mais burocráticas seriam insistir com Thaciano ou lançar Patrick na posição.

Mas o “tudo” de Renato dá margem para mudanças fora da caixa, como o recuo de Tardelli como meia armador e ingresso de André como centroavante. Outra hipótese seria um meio-campo com três volantes, com Maicon mais solto na armação e Michel às suas costas.

Nesta segunda-feira (21), o Grêmio segue os treinos no CT do Fluminense, às 15h. A cerca de 48 horas do jogo mais importante do ano, será uma das últimas oportunidades para decifrar “tudo” o que Renato pode mexer com as peças à disposição. Que pode ser, inclusive, nada.



Veja também