Lucas Uebel / Grêmio, DVG

Os próximos dias serão cruciais para o Grêmio. Após uma primeira leva de contratações, o departamento de futebol analisa o grupo de Renato Gaúcho neste final de pré-temporada para saber quais as funções necessita reforçar. A preocupação é por um elenco suficiente para suportar as quatro competições ao longo do ano de 2019.

Ainda sem o início dos jogos (o primeiro ocorrerá neste domingo diante do Novo Hamburgo), os trabalhos com bola orientados por Renato servem de vestibular. O técnico discute com a direção os setores aos quais entende estar carente ou sem o número de alternativas para encarar os adversários e manter o protagonismo dos últimos três anos.

– Continuamos atentos ao mercado. Na pré-temporada, veremos as posições que estão carentes. Não estamos parados, mas observando – pondera o diretor de futebol Deco Nascimento.

Antes da abertura da segunda quinzena de janeiro, o Grêmio já tinha oficializado as contratações do goleiro Julio César, o volante Rômulo, o meio-campista Walter Montoya e o centroavante Felipe Vizeu. Na contramão, deixaram a Arena: Marcelo Grohe, Bruno Grassi, Bressan, Ramiro, Cícero e Douglas.

– Precisamos aproveitar a pré-temporada e avaliar todo o plantel. Há os meninos da base que podem desencantar. O importante é com essas contratações iniciar o campeonato e depois ver pontos mais cruciais – complementa.

Competição contra os “ricos”

Direção do Grêmio minimiza competição contra clubes "ricos" — Foto: Tomás Hammes/GloboEsporte.com

Direção do Grêmio minimiza competição contra clubes “ricos” — Foto: Tomás Hammes/GloboEsporte.com

Este cenário decorre também pela situação financeira. Apesar dos títulos recentes e de vendas como Pedro Rocha, Marcelo Grohe e Arthur, o Grêmio está longe dos poderios financeiros de Palmeiras e Flamengo. Mesmo assim, confia na força do conjunto e a grandeza do clube, como atesta o vice de futebol Duda Kroeff:

– É difícil, mas sempre foi. Estamos no extremo sul do Brasil e sempre foi complicado. Antigamente era ainda mais difícil. Grêmio e Inter só ganhavam Gauchão. A força do dinheiro vale para Palmeiras e Flamengo, mas não é garantia de nada. Lembro do ataque dos sonhos do Flamengo (Sávio, Romário e Edmundo em 1994), que não deu em nada. Ajuda, mas não é garantia. A camisa do Grêmio é muito forte, com jogadores excelentes e faremos frente.

Olho na lateral e meia

A lateral esquerda e a articulação já foram detectadas anteriormente. Na primeira, Renato só tem Bruno Cortez e Juninho Capixaba – Marcelo Oliveira acabou fixado como zagueiro. A situação fica mais delicada porque o empréstimo de Capixaba encerra em maio.

Juninho Capixaba, lateral do Grêmio, inicia ano como reserva de Cortez  — Foto: Lucas Uebel / Grêmio, DVG

Juninho Capixaba, lateral do Grêmio, inicia ano como reserva de Cortez — Foto: Lucas Uebel / Grêmio, DVG

O Grêmio negociou com o Boca Juniors por Emmanuel Mas. O argentino esteve alinhavado, mas a chegada do técnico Gustavo Alfaro travou as conversas. O nome de Jorge então entrou em pauta. Revelado pelo Flamengo, acabou vendido ao Monaco em janeiro de 2017 por 9 milhões de euros (o equivalente a R$ 30,5 milhões, na época). Sem espaço, foi emprestado ao Porto em meados do ano passado. As conversas não evoluíram.

– Demos uma recuada na questão do lateral-esquerdo. Temos dois bons, o (Bruno) Cortez e o Juninho (Capixaba). Há uma certa preocupação, mas com toda calma. O Jorge foi um dos nomes que cogitamos – admite Duda.

Pesou também a situação do clube com Eduardo Uram. O representante de Jorge é o mesmo de Cícero. O volante, após duas temporadas, não renovou com o clube gaúcho e as relações entre as partes se estremeceram.

Já no setor de criação, o Grêmio tentou Marquinhos Gabriel. Em um primeiro momento, o Al Nassr, dos Emirados Árabes, não pretendia liberá-lo (o que aconteceu nesta semana). Montoya foi contratado. O argentino é visto pelos dirigentes como alguém que pode atuar pelo lado de campo ou mais centralizado, como um criador.

A direção ainda tentou Thiago Neves. Primeiro em uma troca por Luan, que ainda mandaria a Arena Murilo e Raniel. Depois pela compra do meia. Mas, após um acerto, o Cruzeiro recuou em função de Arrascaeta decidir trocar o clube mineiro pelo Flamengo e desistiu do negócio.

Ou seja, o cenário atual aponta para que o atual grupo seja o que comece o Gauchão neste domingo diante do Novo Hamburgo. Resta saber se ganhará incrementos com o passar dos dias.



Veja também