Filha de Renato em campo faz Grêmio perder mando da final da Copa do BR

Carol Portaluppi entrou no gramado da Arena após empate com Cruzeiro na semi

16 de novembro de 2016 - Às 18:07
Foto: Wesley Santos / Agência PressDigital
Foto: Wesley Santos / Agência PressDigital

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) puniu o Grêmio com a perda do mando de campo para o segundo jogo da final da Copa do Brasil, contra o Atlético-MG, no dia 30 de novembro. O motivo é a entrada de Carol Portaluppi, filha do técnico Renato, no gramado da Arena após o apito final da segunda partida da semifinal, diante do Cruzeiro. A informação foi divulgada pelo repórter Sérgio Guimarães, da Rádio Gaúcha, na tarde desta quarta-feira.

Renato chamou a sua filha nos minutos finais da partida, que marcou a classificação gremista para a final contra o Galo. Carol aguardava no túnel da zona mista da Arena e foi conduzida ao campo por um segurança. Sentou no banco de reservas e, logo depois, o árbitro apitou o final da partida. A filha deu um abraço no pai à beira do campo e registrou a festa da torcida e dos jogadores dentro do gramado.

Na súmula da partida, o árbitro Thiago Duarte Peixoto relatou o incidente. Informou que o quarto árbitro, Francisco Neto, e o delegado da partida, Nilson de Souza, o avisaram que Renato chamou a filha para entrar no gramado antes do apito final. Mas ela sentou no banco de reservas e foi impossível retirá-la a tempo, até porque logo depois ele assinalou o fim do jogo.

O Grêmio foi enquadrado no artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) por “deixar de prevenir e reprimir invasão de campo ou local da disputa do evento”. Conforme a legislação, em caso de culpabilidade, a pena prevista é multa de R$ 100 a R$ 100 mil.



Veja também