Vida de goleiro não é fácil. Um dia, pode ser herói. No outro, vilão. Esse poderia ser só mais um clichê, mas é justamente o que a torcida do Grêmio espera que não ocorra com Paulo Victor. Contratado em julho de 2017 para a reserva de Marcelo Grohe, assumiu a titularidade graças à venda do ídolo para o Al-Ittihad, em dezembro do ano passado. Começou 2019 sem dar chances a Julio César, garantiu o título do Gauchão ao defender três pênaltis na final contra o Inter, mas falhou em jogos importantes e passou a ser questionado.

— Goleiro é uma posição bem delicada. Você pode estar fazendo um excelente trabalho, grandes defesas, mas em uma falha tudo aquilo vai por água abaixo. Por isso, é uma posição que tem de ter cabeça fria. Se falhar, tem de estar pronto para a próxima — destaca Rodrigo Galatto, goleiro do Grêmio na Batalha dos Aflitos, em 2005.

A pressão antes tímida sobre Paulo Victor ficou evidente nos confrontos contra o Palmeiras, pelas quartas de final da Libertadores. No jogo de ida, em Porto Alegre, o camisa 1 foi responsabilizado pelo gol de falta marcado por Gustavo Scarpa, de longe. Mas, na volta, ainda que o Tricolor tenha vencido o jogo por 2 a 1, de virada, o goleiro foi alvo de muitas críticas. Com a classificação, os erros não recaíram sobre suas costas.

Mais de um mês se passou até o duelo contra o Flamengo, pela semifinal do torneio continental. O empate em 1 a 1, no qual o time carioca teve três gols anulados pela arbitragem com o auxílio do VAR, teve novamente Paulo Victor como personagem negativo.

Para Danrlei, goleiro multicampeão com o Grêmio na década de 1990, Paulo Victor errou ao tentar encaixar um chute de Gabigol, no gol anulado por impedimento do atacante, aos 23 minutos do primeiro tempo. O hoje deputado federal atribui a falha à chuva, que deixa a bola mais escorregadia.

— Garoinha andando de lado é o pior tipo para goleiro, porque a bola fica um sabão. Muito chato jogar desse jeito. Nessa situação, bola firme coisa nenhuma, do jeito que veio, volta. Tentando encaixar, a probabilidade de soltar é muito grande, porque a luva não tem aderência suficiente para segurar — afirma.

Ainda que a torcida faça críticas a Paulo Victor, a tendência é de que o técnico Renato Portaluppi mantenha o goleiro como o titular, ao menos até o fim da temporada. Após a vitória diante do Ceará, em Caxias do Sul, na quarta-feira (9), o treinador admitiu que o camisa 1 cometeu alguns erros, mas garantiu confiar na sua recuperação. Nesse jogo, inclusive, ele saiu mal na origem do gol adversário, no fim do primeiro tempo. Mas fez boas defesas na etapa final e garantiu a vitória tricolor.

Na Libertadores, competição em que o Grêmio ainda terá uma partida decisiva contra o Flamengo no Maracanã, no dia 23, Paulo Victor é o segundo dos quatro goleiros que seguem no torneio com mais defesas: 25, três a menos do que Andrada, do Boca Juniors, mas uma a mais do que Diego Alves, do Flamengo, e oito à frente de Armani, do River Plate e da seleção argentina. Além disso, até a 23ª rodada do Brasileirão, ele era o quarto melhor da posição, conforme o troféu Bola de Prata, da ESPN, atrás apenas de Diego Alves (Flamengo), Douglas Friedrich (Bahia) e Cássio (Corinthians).

Com contrato renovado até o final de 2022, Paulo Victor assegurou em entrevista recente que pretende fazer história com a camisa tricolor.

— Quero prolongar minha carreira vestindo essa camisa pesada, conquistando títulos e amadurecendo ainda mais. Agradeço ao Grêmio, aos meus companheiros, à torcida e à comissão técnica — falou em julho, ao completar dois anos no clube.

Para que sua história no Grêmio não vire uma tragédia, mas sim um livro daqueles que contam a trajetória de um campeão, Danrlei dá conselhos para a sequência de Paulo Victor:

— Primeira coisa: treina muito. Quando era eu jogador, se não estivesse me sentido 100%, treinava muito. O treino vai te dar segurança. E, no dia do jogo, ameniza a possibilidade do erro, não dá chance para o azar.

NÚMEROS DE 2019

  • 43 jogos
  • 24 vitórias
  • 12 empates
  • 7 derrotas
  • 3,9 mil minutos em campo
  • 24 gols sofridos
  • 87 defesas simples
  • 40 defesas difíceis
  • 3 pênaltis defendidos


Veja também