Foto: Eduardo Moura

Autor de dois gols na virada sobre o Flamengo, Everton é o nome mais pedido entre os torcedores tricolores, no qual é apontado como substituto ideal de Pedro Rocha, vendido ao Spartak Moscou em agosto. E deixou isso claro no 3 a 1 sobre os cariocas, na Arena, neste domingo. O atacante negociado é o exemplo para o “Cebolinha” (apelido do garoto) se firmar enfim no time titular. A poucos dias antes das finais da Libertadores, a disputa pela posição é direta com Fernandinho.

Após a saída de Pedro Rocha, o mais experiente foi o escolhido para ficar com o espaço na equipe. Teve uma série de boas atuações, mas ultimamente passou a ser contestado pelo torcida. Neste domingo, inclusive, escutou vaias ao ser substituído. Everton entrou e em três minutos em campo, balançou as redes duas vezes. Os dois tentos o alçaram ao posto de artilheiro do Tricolor no Brasileirão, 8 gols, justamente ao lado de Fernandinho, em um caminho que parece só se separar na hora de Renato apontar o dedo para optar por seu titular.

Everton fez dois gols em três minutos em campo (Foto: Lucas Uebel/Grêmio)

– Todo jogador precisa de sequência. A gente tem o exemplo do Pedro, que teve essa sequência e para a felicidade dele acabou sendo vendido. Comigo, Fernandinho, Arroyo, comigo, não é diferente. Claro (que Pedro Rocha é exemplo), não só para mim. Para quem está subindo, para todos os novos do elenco. A gente viu ele crescer de perto, sabíamos das críticas que ele passava, mas era um jogador cabeça, que sempre procurou absorver de forma positiva. E deu no que deu – disse Everton.

Na partida, Everton conseguiu aproveitar duas brechas na defesa do Flamengo, ambas pelo lado esquerdo, onde atua preferencialmente, aos 24 e aos 26 minutos – entrou aos 23 do segundo tempo. Com Beto da Silva, deu mais dinamismo ao setor ofensivo.

Desde 2014 no elenco principal, o garoto já teve vários dos “seus momentos”. Mas ainda não se firmou como titular do Grêmio. Em uma trajetória parecida com a de Pedro Rocha, com quem tanto tempo disputou vaga. Antes criticado, o hoje atleta do Spartak deixou a Arena ovacionado após superar a irregularidade.

O responsável pela virada do Grêmio sobre o Flamengo ainda precisou treinar após o jogo. Foi para o campo com quem não entrou na partida para completar sua parte física, já que atuou menos de 30 minutos. E não foi a primeira vez a seguir este roteiro, de entrar e com poucos toques na bola, balançar as redes. No 6 a 3 sobre a Chapecoense, no primeiro turno, fez o mesmo. No primeiro contato com a bola, gol. Uma estrela também considerada pela torcida ao ser pedido no time.

O bom momento vem menos de 20 dias antes das finais da Libertadores, marcada para os dias 22 e 29, contra o Lanús. Everton balança a credencial para Renato ver e tenta de todas as maneiras iniciar as decisões. Quer ser decisivo como o amigo e exemplo foi em 2016, na final com o Atlético-MG, na Copa do Brasil.

– Eu procuro absorver esse tipo de elogio, ou seja crítica mesmo, de forma positiva. Sei do carinho que o torcedor tem por mim. Fico feliz e procuro trabalhar cada vez mais para me tornar titular. Não tive contato com ele, mas certo que amanhã vai falar que eu vi o DVD dele antes do jogo – riu Everton, prevendo já a brincadeira de Renato sobre seu desempenho.

O Grêmio se reapresenta na tarde desta segunda-feira, no CT Luiz Carvalho. O clube gaúcho volta a atuar na quarta, contra a Ponte Preta, no Moisés Lucarelli. A tendência é que entre em campo com um time titular, pelo discurso usado por Renato após a vitória sobre o Flamengo.



Veja também