Wesley Santos / PressDigital

Meia-atacante do Grêmio e da Seleção Brasileira, Everton entrou apenas no segundo tempo para puxar contra-ataques e segurar a bola no ataque gremista no Gre-Nal deste domingo, na Arena, pela 10ª rodada do Campeonato Gaúcho. Foi tão bem-sucedido em seu intuito que começou a receber uma sequência de faltas. No final, com a vitória no por 1 a 0, ele aproveitou para condenar a violência dos adversários e também provocar.

Everton fala após vitória do Grêmio por 1 a 0 no Gre-Nal 418 pelo Gauchão

Everton fala após vitória do Grêmio por 1 a 0 no Gre-Nal 418 pelo Gauchão

Cebolinha reclamou das entradas violentas de Rodrigo Lindoso e Rithely. Este, aliás, tirou-o do sério. Já nos acréscimos, ele driblou o volante colorado na lateral esquerda, mas foi puxado e derrubado fora do campo. Mesmo que Anderson Daronco tenha punido Rithely com o cartão amarelo, Everton condenou a atitude do colega e qualificou o lance como “maldade”.

– Não precisa disso. Sei que foi na maldade. Ele me deu um soco na nuca. Falei que não precisava disso. Também tomei uma cotovelada do Lindoso, mas o árbitro não marcou. Faz parte. A gente costuma dizer: “Quem perde sempre chora”, e ele optou pela violência – criticou.

O assunto, no entanto, não foi estendido pelo atacante. O camisa 11 logo tratou de minimizar as provocações e preferiu elogiar os companheiros.

– Desde o início foi pregado que Gre-Nal é clássico, e clássico não se joga, se ganha – frisou. – Fizemos uma excelente partida e isso mostra a força do grupo. Não tem reserva nem titular. Infelizmente só podemos escalar 11.

Com a vitória no clássico, o Grêmio se mantém invicto no Gauchão com oito vitórias e dois empates. Dispara na liderança com 26 pontos e abre sete do vice-líder, que agora é o Caxias com os mesmos 19 pontos do Internacional. O Tricolor encerra a primeira fase do campeonato na próxima quarta-feira, contra o Pelotas, na Boca do Lobo.



Veja também