Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

O Grêmio deu o primeiro passo para alavancar um “ambiente de vitórias” – termo utilizado interna e externamente pela direção – para fugir de vez do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Nos bastidores, há cautela após a vitória em cima do Juventude, mas plena noção de que a torcida comprou o discurso. O desafio é manter-se assim.

Os primeiros movimentos para desenhar este ambiente começaram na quinta-feira passada. Denis Abrahão aceitou o convite do presidente Romildo Romildo Bolzan Júnior para ser o vice de futebol e trouxe Sergio Vasquez para seu diretor. A dupla efetivou a contratação do técnico Vagner Mancini.

Antes disso, o clube havia reduzido o preço dos ingressos para o jogo de domingo na Arena e liberado o uso de instrumentos musicais na arquibancada. Soma-se a isso os discursos inflamados da nova direção e a permissão à entrada de torcedores no treino pré-jogo de sábado.

— Vim para resgatar o orgulho do torcedor do Grêmio. Com coração. Mas não é só isso, é muito trabalho. Serginho (Vasquez) chegou aqui sábado de manhã e não saiu ainda, concentrou. Porque é assim que se ganha. Temos que criar esse ambiente de vitórias — disse Abrahão depois da vitória de domingo.

Movimentação nos bastidores

Esses foram apenas fatores externos. Porém, também ocorreram movimentos nos bastidores do clube que ajudaram a criar a mobilização para a vitória diante do Juventude. O primeiro ato se resume a fortalecer a “resenha”, como é chamada a conversa entre jogadores do futebol.

A nova direção aumentou o grau de diálogo com o elenco. De sexta até domingo, ocorreram conversas individuais e coletivas, por vezes procurando solucionar algum pequeno problema ou só jogando conversa fora.

Prova disso foi que o diretor Sérgio Vasquez chegou sábado pela manhã na concentração do Grêmio, dormiu lá e fez todas as refeições com o plantel.

A presença foi justamente para fortalecer laços entre direção e jogadores, buscando união máxima. É comum dirigentes irem até a concentração apenas horas antes das partidas.

Outra medida foi levar parte do quadro de funcionários do CT Luiz Carvalho para o jogo na Arena, passando a mensagem de que o apoio terá que ser de todos e incondicional. O ato partiu de Abrahão e Vasquez, com apoio do presidente Romildo.

Além disso, a direção se reuniu com a comissão técnica na noite de sábado. A conversa de mais de três horas permeou todos os assuntos, até mesmo a discussão do time que entraria em campo no domingo. Afinal, Mancini teve apenas duas sessões de treino.

– Vamos continuar olhando um no olho do outro e, quando não gostar, vamos resolver dessa forma com todo mundo. Os jogadores sequer me conheciam. Conversei com meia dúzia. Claro que teve uma reunião mais longa, trabalhei o lado emocional de cada um, me coloquei à disposição. Tirei aquele peso das costas deles. Aqui fora a bronca é comigo – comentou Denis.

Quando ganhar, eles (jogadores) ganham, nós ganhamos. Quando perder, o Denis Abrahão perdeu. E assim vai ser enquanto eu estiver como vice do clube. — Denis Abrahão, vice de futebol

Agora, o desafio será subir degraus para o ambiente de vitórias não se dissipar. Restam 13 rodadas, ou 13 “batalhas”, como o Grêmio trata internamente cada jogo.

O elenco ganhou folga na segunda e se reapresenta às 15h desta terça-feira no CT Luiz Carvalho. Vagner Mancini e sua comissão terão seis dias para preparar o time que enfrenta o Atlético-GO na segunda que vem, em Goiânia, pela 27ª rodada do Brasileirão. O Tricolor é penúltimo colocado com 26 pontos.



Veja também