O futuro de Kannemann no Grêmio deve ser resolvido nos próximos dias. Desde a semana passada, o empresário do jogador está em Porto Alegre e aguarda o resultado da eleição no clube para conversar com o futuro presidente. Tanto Alberto Guerra quanto Odorico Roman expressaram o desejo de permanência do argentino.

O representante do jogador já estava na Arena e assistiu a vitória do Tricolor diante do Brusque, na última rodada da Série B do Brasileirão. O zagueiro tem contrato com o clube se encerrando no fim deste ano e recentemente entrou para a pré-lista da Argentina para a Copa do Mundo.

Kannemann em treino do Grêmio — Foto: João Victor Teixeira

Kannemann em treino do Grêmio — Foto: João Victor Teixeira

Em entrevista ao ge, que serão publicadas no podcast do Grêmio nesta quarta-feira, os dois candidatos à presidência relataram que têm o interesse de renovar com o Kannemann. Guerra esteve envolvido na contratação do atleta em 2016, disse que seu time começa pelo camisa 4.

– Do ponto de vista técnico, meu time começa pelo Kannemann. Vou fazer o possível, na qualidade de presidente, para renovar. Agora, não posso ser perdulário com o dinheiro do Grêmio. Todas essas questões serão analisadas após o dia 12 – afirmou Guerra.

Odorico Roman, da mesma maneira, quer manter o jogador e até já conversou com o representante do atleta na intenção de avançar em algumas situações.

– O Kannemann é um ídolo. Pensamos na manutenção dele. É um ídolo, multicampeão, importantíssimo. O procurador do Kannemann está em Porto Alegre, já conversamos e vamos conversar novamente para resolver essa situação – afirmou Roman.

Na semana passada, o Grêmio recebeu a notícia que o argentino entrou para a pré-lista de Lionel Scaloni, que tem cerca de 40 nomes, para a Copa e foi pego de surpresa. Querendo ou não, o fato pode valorizar o jogador, mesmo que neste ano ele tenha atuado em apenas nove jogos.

Kannemann já revelou que dará prioridade ao clube gaúcho, mas também está disposto a receber sondagens de outros clubes. Recentemente o jogador foi alvo de equipes argentinas e de fora do Brasil, que procuraram seu estafe.



Veja também