Renato Gaúcho evitou dar pistas, mas a chegada do Grêmio ao Rio de Janeiro, com algumas horas de atraso, deixou bem claro: Luan é dúvida para a partida decisiva contra o Flamengo, pela semifinal da Libertadores. O camisa 7, que já seria substituto de Jean Pyerre, mostrou dificuldades para caminhar e pode não se recuperar a tempo do jogo de quarta-feira, no Maracanã.

O problema no tornozelo direito de Luan é decorrente de uma pancada. O meia-atacante chegou ao Rio de Janeiro manquitolante na manhã de domingo e tem dois treinamentos para testar a articulação para o jogo com o Flamengo, nesta segunda e na terça-feira. Pode, claro, ir para o sacrifício pelo tamanho da partida. Mas tem grandes chances de ser desfalque.

O quadro é o mesmo vivido pelo Grêmio no ano passado. Também na semifinal da Libertadores, mas contra o River Plate, em 23 de outubro. Luan viajou para a Argentina, mas ainda com dores decorrentes da fascite plantar no pé direito – que o fez, inclusive, ficar fora do restante da temporada. No treino na véspera da partida, ainda sentiu uma lesão muscular.

E se o camisa 7 ficar de fora novamente? Seria uma baixa considerável para os planos de Renato Gaúcho. Até porque o titular, Jean Pyerre, também se recupera de lesão e está sem jogar há um mês. O problema na coxa direita do meia o impede até agora de treinar com bola. Ele já fez atividades físicas, mas não trabalhou com bola e não deve ter condições de entrar campo, apesar de integrar a delegação.

Abaixo, veja as opções do técnico gremista:

Menor mudança possível

Thaciano foi titular na derrota do Grêmio em Fortaleza, no último sábado, e jogou os 90 minutos da partida. Apesar da estratégia de preservação de Renato, não quer dizer que necessariamente estará fora das opções. Tem uma característica completamente diferente de Luan, mas preencheria o meio-campo com mais intensidade e ajuda na marcação.

Renato Gaúcho pode escolher Thaciano para quarta — Foto: Lucas Uebel / Grêmio, DVG

Renato Gaúcho pode escolher Thaciano para quarta — Foto: Lucas Uebel / Grêmio, DVG

Além de entrar na área constantemente e até trocar de posição com Diego Tardelli, por ser mais forte fisicamente e ter presença na bola aérea. Sua entrada mudaria um pouco a característica do time, mas manteria o mesmo modelo e estrutura de meio-campo.

Mais marcação no meio

Esta hipótese transformaria o time gremista e passaria também por uma decisão de mudar um pouco a forma de jogar. O volante Michel, que atuou por cerca de 60 minutos contra o Fortaleza, formaria um trio com Matheus Henrique e Maicon. A dupla contaria com a cobertura do camisa 5 para tentar manter a posse de bola e segurar também o meio-campo do Flamengo, com Gerson e companhia.

Michel daria mais marcação ao meio-campo do Grêmio — Foto: Lucas Uebel / Grêmio F.B.P.A.

Michel daria mais marcação ao meio-campo do Grêmio — Foto: Lucas Uebel / Grêmio F.B.P.A.

Essa estratégia foi utilizada pelo técnico gremista contra o River Plate, no Monumental de Nuñez, na vitória por 1 a 0 na semifinal de 2018. Como não contava com Everton e Luan, Renato optou por se defender mais e apostar na bola parada e no contra-ataque. Na ocasião, deu certo, mas não deixa de ser uma antítese do que faz o Grêmio.

A jovem aposta na decisão

Talvez essa seja a troca mais “simples”. Patrick é meia articulador e foi formado atuando pelo meio. No profissional, no entanto, treina constantemente pela ponta direita, diferente da atual necessidade. Com drible e boa finalização, poderia substituir os outros dois pratas da casa.

Patrick, meia do Grêmio — Foto: Eduardo Moura

Patrick, meia do Grêmio — Foto: Eduardo Moura

Mas essa é a tendência menos provável. No sábado, contra o Fortaleza, Patrick era cotado para iniciar a partida, mas ficou no banco de reservas e jogou cerca de 30 minutos no segundo tempo ao entrar no lugar de Michel.

Talvez pese contra Patrick a falta de experiência. Aos 20 anos, o jovem tem 13 jogos no Brasileirão, mas sempre entrando na etapa final. Contudo, já tem uma boa recordação do Maracanã. Na derrota por 2 a 1 para o Fluminense, o meia anotou seu primeiro gol como profissional.

Um atacante mais cascudo

No modelo que o Grêmio joga, tem pontas ofensivos e um meia ao lado do atacante como “dupla” de ataque. O treinador pode justamente optar por colocar um atacante de ofício por ali e recuar Diego Tardelli, que já afirmou que gosta de jogar como segundo atacante, com liberdade para se movimentar.

Luciano pode vir a substituir Luan — Foto: Lucas Uebel / Grêmio, DVG

Luciano pode vir a substituir Luan — Foto: Lucas Uebel / Grêmio, DVG

O ponto negativo neste cenário é mexer em uma posição que vinha dando relativamente certo, no caso Tardelli. Assim, o centroavante André, substituído no sábado, ou mesmo Luciano, que já treinou nesta função em coletivos do time reserva ao lado do camisa 9, seriam as alternativas.

André não tem exatamente bom cartaz com a torcida, mas conta com a confiança de Renato Gaúcho. Daria uma referência física ao time. Já Luciano entrega mais mobilidade e movimentação junto a Tardelli, além de arremate de fora da área, e já atuou como centroavante. No entanto, o time ficaria menos resguardado na marcação, na pressão ao volante adversário, no caso Willian Arão.




Veja também