Não há como culpar as lesões como fator para o rebaixamento do Grêmio no Brasileiro de 2021. No entanto, o Imortal sofreu bastante com desfalques de peso que estiveram no departamento médico por todo o ano, mesmo tendo diminuído em relação aos últimos anos, quando liderou o ranking de baixas médicas por clubes na Série A na temporada 2020/21.

Em 2020, o Grêmio foi o time com mais casos na temporada: 47. Este ano, caiu para 34 problemas médicos. Uma redução de 28%. Diminuição considerável, porém ainda insuficiente para suprir as perdas por contusão sentidas desde março.

O Imortal não teve sua força máxima em campo em muitas ocasiões, nas quais a equipe constantemente se via sem seus principais nomes. Kannemann, Geromel, Thiago Santos, Maicon, Douglas Costa e Churín ficaram de fora mais de uma vez em 2021 por algum problema clínico. Ao todo, foram 34 vetos médicos no Grêmio na temporada. Número bem mais baixo se comparado ao de 2020, quando o Imortal teve 47 casos, ainda mais se voltarmos até 2018, quando houve impressionantes 64 baixas médicas (o clube foi quem mais teve baixas naquele ano).

Os dias finais da temporada 2020 do Imortal foram bastante corridos: no dia 7 de março de 2021, o time gaúcho perdeu a final da Copa do Brasil para o Palmeiras, sendo que a temporada seguinte já havia começado quatro dias antes, pelo Gauchão, na vitória sobre o Brasil de Pelotas. Além disso, a perda para o Verdão fez com que o Tricolor precisasse jogar as fases iniciais da Libertadores. Mais precisamente, três dias depois, no dia 10 de março, o Grêmio estava em campo contra Ayacucho, do Peru, pela 2ª fase.

Com isso, o Imortal sofreu bastante com contusões no início da temporada. Até o dia 22 de abril, ou seja, apenas um mês e meio de competições, o Grêmio já havia tido oito jogadores lesionados, sendo que todos desfalcaram a equipe em pelo menos nove jogos. Foram eles: Everton, Kannemann, Pepê, Jean Pyerre, Churín, Guilherme Azevedo, Pinares e Alisson. Destaque negativo para Kannemann e Pepê que se machucaram duas vezes neste meio tempo.

Churín foi o jogador que mais sofreu com lesões pelo Imortal. O atacante perdeu 34 partidas por questões médicas. O atacante sofreu uma lesão muscular na coxa direita em março e parou por 13 jogos. Em maio, sentiu um desconforto muscular na coxa direita que o deixou de fora de quatro partidas. E por fim, a pior de todas, uma lesão muscular no fim de junho, que o fez perder 17 jogos.

Apenas Kannemann precisou fazer cirurgia no elenco do Grêmio. Com uma lesão no quadril, o zagueiro precisou fazer uma cirurgia ambulatorial na região em abril. Porém, o problema não foi solucionado. O argentino conviveu com dores crônicas no local em muitos jogos. Diagnosticado com Síndrome do Impacto no Quadril, o zagueiro passou por cirurgia no fim da temporada visando melhora das condições para atuar mais em 2022.

Jogadores com mais idas ao DM e mais jogos como desfalque por lesão no Grêmio na temporada — Foto: Infoesporte

Os atletas que mais frequentaram o departamento médico do Grêmio no ano foram Kannemann, Churín e Douglas Costa: três vezes cada. Destaque da lista vai para Douglas Costa: o meia chegou ao Grêmio em maio, estreou contra o Sport, no dia 17 de junho e esteve em campo 28 vezes. Por lesão, perdeu 10 jogos (três pela Copa do Brasil e sete pelo Brasileiro). Foram duas constusões na coxa e um desconforto muscular entre o julho e agosto. No total, o atacante marcou três gols e duas assistências em sua volta.

O já citado Churín ficou de fora de 34 jogos, Kannemann perdeu 29 jogos e Thiago Santos não esteve presente em 13 oportunidades.

Critérios e metodologia

As informações levantadas para esta pesquisa foram retiradas nos sites oficiais de cada um dos 20 times que disputaram a Série A em 2021, além do apurado pelos setoristas do ge no dia a dia dos clubes.

O recorte temporal deste levantamento foi de 26 de fevereiro de 2021 até a data da publicação desta matéria: 16 de dezembro de 2021. As exceções são Grêmio e Palmeiras, finalistas da Copa do Brasil de 2020, que iniciaram a temporada 2021 a partir de 8 de março de 2021. Todas as baixas médicas sofridas pelos jogadores fora desse universo temporal não entraram na pesquisa.

O critério para inclusão de um atleta no levantamento foi o veto pelo departamento médico de pelo menos uma partida por motivo clínico. Todos os problemas médicos que impediram a escalação do jogador na equipe para a partida seguinte foram computados no levantamento.

Jogadores poupados e com desgaste físico não entraram na conta assim como problemas fisiológicos e casos de covid. Todos os clubes receberam o contato da reportagem para checagem da lista de jogadores no DM na temporada.

*Colaboraram Eduardo Moura e Lucas Bubols



Veja também