Campeão da Libertadores em 2017, o Grêmio passou a frequentar um seleto grupo de clubes da América do Sul presentes nas fases decisivas do torneio ano após ano. Um motivo de orgulho para o torcedor, mas que também tem significado alguns traumas para os gremistas.

Pelo segundo ano consecutivo, o time de Renato Portaluppi foi eliminado do torneio de forma contundente ao ser goleado por 4 a 1 pelo Santos, na noite de quarta-feira, nas quartas de final da competição.

A derrota na Vila Belmiro fez os gremistas lembraram outra eliminação traumática recente, com goleada por 5 a 0 para o Flamengo nas semifinais de 2019, no Maracanã.

Em ambos os casos, o time gaúcho chegou para as decisões em um bom momento, mas foi dominado tanto nos jogos de ida quanto da volta. Pior do que isso, deu demonstrações de apatia e instabilidade diante do cenário adverso.

Grêmio cai na Libertadores diante do Santos — Foto: Staff images/Conmebol

Grêmio cai na Libertadores diante do Santos — Foto: Staff images/Conmebol

Questionado sobre se via semelhanças entre as eliminações de 2019 e 2020, Renato evitou o assunto. Na entrevista após a partida, reconheceu a superioridade do Santos nos dois confrontos, saiu em defesa do grupo de jogadores e assumiu a responsabilidade por mais uma eliminação.

– Tem coisas que converso somente com o grupo. Não adianta falar em público o que aconteceu e deixou de acontecer. Se tem culpado, sou eu. Meu grupo eu vou defender sempre – declarou.

A esses dois fracassos, soma-se a eliminação de 2018 para o River Plate, de forma diferente, mas não menos traumática. Na ocasião, o Grêmio chegou a abrir 2 a 0 no placar agregado, mas viu a vantagem ruir em poucos minutos e acabou eliminado nas semifinais em plena Arena.

Os traumas recentes do Grêmio na Libertadores

  • 2018 – Grêmio 1×2 River Plate – semifinais

Então campeão, o Grêmio foi ao Monumental de Núñez cheio de desfalques, sem Luan, então principal jogador do time, e Everton, já em grande fase. Mas anulou o time argentino e venceu por 1 a 0, com gol de Michel. No jogo de volta, em Porto Alegre, Leonardo Gomes abriu o placar e aumentou a vantagem. Mas tudo ruiu em poucos minutos. Borré empatou de cabeça aos 36. E aos 41, Pity Martínez decretou a virada, após pênalti de Bressan marcado pelo VAR.

  • 2019 – Flamengo 5×0 Grêmio – semifinais

As semifinais de 2019 foram marcadas pelo duelo particular de Renato com Jorge Jesus. Os dois técnicos trocaram farpas sobre quem tinha o “melhor futebol do Brasil”, Grêmio ou Flamengo. E o português se deu melhor. No jogo de ida, na Arena, o Flamengo abriu o placar com Bruno Henrique e teve três gols anulados pelo VAR até Pepê empatar no fim. Na volta, no Maracanã, o Rubro-Negro impôs ao Grêmio sua pior derrota na história da Libertadores: 5 a 0.

  • 2020 – Santos 4×1 Grêmio – quartas de final

O último fracasso gremista seguiu roteiro semelhante ao do ano passado, mas contra um time considerado inferior tecnicamente. O Grêmio chegou para o confronto contra o Santos embalado pelos 16 jogos de invencibilidade, a ponto de Renato repetir a frase de “melhor futebol do Brasil”. Saiu atrás em casa e buscou o empate com um pênalti no último minuto, com gol de Diego Souza. No jogo de volta, na Vila Belmiro, as esperanças de classificação recaiam sobre Jean Pyerre, de volta ao time. Mas o jovem foi protagonista negativo ao errar um passe e ver o Santos abrir o placar com 10 segundos de jogo. Começava ali mais uma noite de terror para a torcida, com derrota por 4 a 1.



Veja também