De olho no G-4, Grêmio reserva tenta maior série de vitórias com Renato no Brasileirão

Tricolor gaúcho enfrenta o Fluminense, neste domingo, no Maracanã, e tenta vencer quinta partida seguida para colar no topo da tabela

29 de setembro de 2019 - Às 08:19

Em Porto Alegre, os titulares do Grêmio já respiram a primeira das decisões com o Flamengo pela Libertadores. Mas os reservas também têm ambições por que jogar neste domingo às 16h, contra o Fluminense, no Maracanã, pela 22ª rodada do Brasileirão. Em alta, a equipe quer se manter no encalço do G-4 e tenta a quinta vitória seguida pelo Nacional, marca inédita sob o comando de Renato Gaúcho.

Em três anos com o maior ídolo como treinador, o Tricolor enfileirou títulos e sempre foi longe em mata-matas por Copa do Brasil e Libertadores. Mas nunca conseguiu mais do que quatro triunfos consecutivos no Brasileirão, até pelas preservações recorrentes, com prioridade às copas.

A vitória no Maracanã é sinônimo de uma marca emblemática. E ainda serve para a equipe se manter nas cercanias do topo da tabela, com possibilidade até de encerrar a rodada entre os quatro primeiros (veja os cálculos abaixo).

A última vez em que o Grêmio engrenou em uma sequência tão positiva pelo Brasileirão ocorreu em 2015. Entre a 7ª e a 11ª rodadas, foram cinco vitórias: Athletico (2 a 1, em casa), Palmeiras (1 a 0, em casa), Avaí (2 a 1, fora), Cruzeiro (1 a 0, em casa) e Santos (3 a 1, fora). O Tricolor dividiu a liderança com o Atlético-MG, mas a série foi interrompida com derrota por 1 a 0 para a Chapecoense na Arena Condá.

Desde então, o máximo que a equipe alcançou foram quatro vitórias em 2017, ainda no início do Nacional, entre a quarta e a sétima rodadas. O Grêmio venceu Vasco (2 a 0, em casa), Chapecoense (6 a 3, fora), Bahia (1 a 0, em casa) e Fluminense (2 a 0, fora), numa sequência que o deixou a um ponto do então líder, Corinthians. A série foi freada com um empate em 3 a 3 diante do Cruzeiro no Mineirão.

De volta a 2019, o Grêmio enfim “entra” no Brasileirão justamente no momento em que pôde escalar o que tem de melhor, sem dividir foco. A equipe vem de vitórias com autoridade sobre Cruzeiro (4 a 1, fora), Goiás (3 a 0, em casa), Santos (3 a 0, fora) e Avaí (6 a 1, em casa). São 16 gols marcados e apenas um sofrido.

Todo esse retrospecto é deixado de lado pelos reservas para este domingo. Em entrevista coletiva, o lateral-direito Léo Moura alertou para as dificuldades de se enfrentar um rival em situação delicada, como o Fluminense. Perto da zona da degola, o Tricolor demitiu recentemente o técnico Oswaldo de Oliveira e viveu uma manhã de protestos no sábado.

– Sempre falo que é muito mais difícil quando joga contra uma equipe que está passando pelo momento que o Fluminense passa. Um clube grande, merece todo o respeito. Lógico que os jogadores lá querem sair o mais rápido possível desta situação, então isso faz com o que o jogo fique ainda mais difícil. Mas a nossa equipe vem para esse jogo para sair daqui com uma vitória – projeta.

G-4 já nesta rodada?

A combinação é improvável e envolve não apenas vencer, mas secar três dos demais concorrentes. Mas o Grêmio pode, sim, encerrar a 22ª rodada no G-4. Para isso, a matemática é simples e um tanto ingrata.

Atualmente, o Tricolor é sétimo colocado, com 34 pontos. Está a dois do Inter, atual quarto colocado, e a um de Corinthians e São Paulo, quinto e sexto respectivamente. Para subir ao G-4, será preciso:

  • Vencer o Fluminense
  • Torcer por derrota do Inter para o Palmeiras no Beira-Rio
  • Torcer por empate ou derrota do Corinthians contra o Vasco na Arena Corinthians
  • Torcer por empate ou derrota do São Paulo contra o Flamengo no Maracanã (até o fechamento desta matéria, o jogo ainda não havia sido encerrado)


Veja também