Prestes a fazer quatro anos de Grêmio, Kannemann escolheu permanecer em Porto Alegre durante as férias para viver o período de isolamento ao lado da esposa, Carolina, e da filha, Juliana, de um ano. Na capital gaúcha, o zagueiro contava os minutos para retomar os treinos no CT Luiz Carvalho nesta terça-feira e com posicionamento forte sobre a volta do futebol em meio à pandemia do coronavírus.

Em entrevista à RBS TV, o argentino afirmou que é preciso “fazer a coisa certa” e só decidir pela retomada das competições se houver segurança para atletas e pessoas envolvidas nas partidas. Mas também foi enfático: prefere que o futebol volte sem torcida a uma eventual paralisação mais prolongada.

“Acho que todo mundo quer voltar pra jogar, mas tem que ser com segurança e fazer a coisa certa. Eu acho que é melhor voltar sem torcida do que não voltar. Vai ter que tomar cuidados importantes. Tem que retomar o futebol, mas temos que estar seguros” (Kannemann)

Na conversa por chamada de vídeo, Kannemann falou sobre a rotina de treinos durante a quarentena, a saudade de ter a “vida normal” e o carinho que nutre por Grêmio e San Lorenzo. O argentino evitou escolher um clube “preferido” e também fez planos para 2020. Títulos? Talvez, mas o mais importante para o zagueiro é retomar a normalidade.

Walter Kannemann, zagueiro do Grêmio — Foto: Eduardo Moura

Walter Kannemann, zagueiro do Grêmio — Foto: Eduardo Moura

> Confira a entrevista:

Rotina na quarentena

Olha, a rotina está tranquila. Já não tenho mais seriado pra olhar. Às vezes treino de manhã, às vezes treino onze da noite, tento fazer o melhor durante o dia. O clube manda opções do treino para cada um, e cada um faz o que pode com o que tem.

Como é a rotina com a esposa e filha?

Vou te falar já vão muitos dias juntos, mas está tudo tranquilo, tudo bom. A filha acorda 10h30, 11h.

Por que ficou em Porto Alegre?

Eu não sabia o que ia acontecer. Eu tenho um avô que tem 70 anos, então imagina eu ir para lá e levar o vírus. Eu não ia me perdoar. Então por cautela decidi ficar aqui, para ficar tranquilo quando voltasse o nosso futebol. A verdade é que decidi ficar tranquilo aqui em Porto Alegre.

“No San Lorenzo, eu joguei 15 anos, vivi muita coisa. Parte do meu coração é do San Lorenzo. Mas aqui eu vivi coisas muito importantes. O torcedor faz chegar o carinho que tem por mim. E isso eu tenho que devolver. O Grêmio é um time muito importante. Meu coração está aqui”

Volta do futebol

Eu creio que é no dia a dia, dependendo do que vai acontecendo no dia com o vírus, tem que ver a decisão que eles vão tomar. Acho que todo mundo quer voltar pra jogar, mas tem que ser com segurança e fazer a coisa certa.

Futebol sem torcida

Eu acho que é melhor voltar sem torcida do que não voltar. Eu acho que vai ter que tomar cuidados importantes para estar o mais seguro possível, né? Tem que retomar o futebol, mas temos que estar seguros. É uma decisão difícil. Temos que estar positivos e com muita vontade para seguir depois de tudo isso.

Readequação nos salários

Pela situação difícil, o clube decidiu tomar algumas medidas de deixar alguma parte do salário para o ano que vem. Acho que é válido porque o dinheiro que o Grêmio receber também vai ser adiado. Então, eu acho que está certo, o importante nessa situação é perder o menos possível. Importante a saúde, a segurança e esperar que os clubes continuem com força. Que percam o menos possível nessa situação, e depois quando retomar o futebol que aos poucos vá recuperando.

Grêmio ou San Lorenzo?

No San Lorenzo, eu joguei 15 anos, vivi muita coisa lá, parte do meu coração é do San Lorenzo. Mas aqui eu vivi coisas muito importantes. O torcedor faz chegar o carinho que tem por mim. E isso eu tenho que devolver. O Grêmio é um time muito importante. Não sei se o mais importante, mas meu coração está aqui.

Onde encerrar a carreira?

Onde vou fechar a carreira, não sei. É difícil. Eu sou argentino gosto de ter minha família perto também, mas esse é um papo que vou pensar mais na frente. Agora estou muito feliz aqui, imagino que fique, então por ora estamos felizes e tentando fazer o melhor.

Tem falado com os companheiros?

É, não muito. Tenho falado com alguns, mas não muito.

E o Geromel?

Ah, ele me ligou aí umas vezes. Porque depois quando volta concentramos juntos todo tempo, estamos mais no clube do que em casa, assim que agora estamos aproveitando para passar tempo com a família

Kannemann escolhe o penta na Copa do Brasil para fazer o #TBT — Foto: Lucas Uebel/Divulgação Grêmio

Kannemann escolhe o penta na Copa do Brasil para fazer o #TBT — Foto: Lucas Uebel/Divulgação Grêmio

Do que mais sente saudade?

(Suspiro) Ah, um pouco do futebol, das pessoas, dos companheiros, da vida normal, né? De poder sair para a rua tranquilo, sem às vezes saber se pego ou não pego (o vírus) na porta, de cuidar todo o tempo, a verdade é que isso que mais sinto saudade, de estar na rua tranquilo.

Trato de cumprir o máximo possível o isolamento. Às vezes tem que ir ate o mercado, ou tem que descer para levar o lixo, ou por aí, dar uma volta pra tomar um ar pelo menos e volta pra casa. A verdade é que eu gostaria de fazer minha vida normal. Acho que todo mundo está cansado de estar tanto tempo em casa fechado, mas temos que estar positivos e tomar os cuidados necessários. É muito difícil quando não pode sair, até onde pode sair, qual a liberdade que tem.

Qual vai ser a primeira coisa que vai fazer?

Seguramente vou ir treinar, já (risos). Seguramente vou ir para o clube porque vamos ter que recuperar o tempo perdido.

#TBT

Talvez seja a Copa do Brasil, a final da Copa do Brasil seja uma boa lembrança. Porque foi o primeiro título que eu ganhei aqui com o Grêmio, e eu senti que o torcedor curtiu muito. E a verdade é que foi um momento difícil, porque tinha acontecido a tragédia da Chapecoense. No último jogo, o minuto de silêncio foi uma coisa incrível o que se sentiu ali. Depois também no título , um monte de emoções juntas, que eu acho que pro torcedor do Grêmio é muito bom. E lembro sempre dessa tristeza pelos colegas e da felicidade por um grande título.

O que espera de 2020?

O que eu espero é passar esse momento difícil da humanidade e tratar de recuperar a vida normal, só isso que eu espero. Vou te dizer que hoje em dia está no segundo plano isso (ganhar títulos), Eu só quero que tudo volte à normalidade, que possamos jogar futebol todo mundo, é só o que eu espero e que eu quero nesse ano.



Veja também