Foto: Lucas Uebel/DVG/Grêmio

O Grêmio anunciou a saída de Felipão nos primeiros minutos desta segunda-feira e está no mercado em busca de um novo treinador para tentar livrar o clube da Série B. O novo comandante será o quarto técnico do time na temporada, igualando a marca do último rebaixamento do clube.

O anúncio por parte do clube ocorreu horas após a derrota de 1 a 0 para o Santos, no domingo, na Vila Belmiro. Felipão chegou ao quarto jogo sem vencer no Brasileirão, conquistando um ponto de 12 disputados e não conseguiu tirar o Grêmio do Z-4.

Em 2004, ano do segundo rebaixamento, o Grêmio também teve quatro técnicos. O clube iniciou aquela temporada com o técnico Adílson Batista, comandante no ano anterior. Fora do cargo, foi substituído por José Luiz Plein e Cuca. Por fim, Cláudio Duarte fechou o ciclo da queda à Série B.

Antes da chegada de Luiz Felipe Scolari, contratado em julho e com contrato até o final de 2022, o Grêmio tinha acertado a saída de Tiago Nunes, com o mesmo tempo de vínculo. O primeiro dessa sequência foi Renato Portaluppi, que ficou quase cinco anos no cargo.

Nos casos de Tiago Nunes e Felipão, as saídas foram em “comum acordo”. Uma medida adotada para não infringir o artigo 32 do Regulamento Específico da Competição, que impõe o limite de apenas “uma demissão de treinador sem justa causa, por iniciativa do clube”.

No momento, o auxiliar permanente Thiago Gomes assume como técnico interino. Ele se junta a delegação nesta segunda-feira em Fortaleza, assim como Victor Ferraz, Fernando Henrique e Elias. O próximo jogo será na quarta-feira contra o Tricolor do Pici, na Arena Castelão.



Veja também