Foto: Lucas Uebel

Enfim, chegou a hora da verdade. O próprio técnico Renato Gaúcho deixou claro o quanto a ansiedade pelas semifinais da Libertadores estava atrofiada nos gremistas, rodada após rodada do Brasileirão, sem poder extravasar e pensar apenas na América. Pois é nesta quarta-feira, a partir das 21h45, o momento mais importante do ano do Grêmio. Com seu time ideal, o Tricolor traz uma aura de confiança no retorno nos seus melhores momentos da temporada.

Apesar de não haver confirmação por parte do treinador, o time será Marcelo Grohe; Edílson, Geromel, Kannemann e Cortez; Michel, Arthur, Ramiro, Luan e Fernandinho; Barrios.

Esta é a escalação ideal do Grêmio desde a saída de Pedro Rocha, vendido para o Spartak Moscou, da Rússia, no fim da janela de transferências. E só o fato de ter todos em campo novamente já muda o ânimo tricolor.

– Michel e o Luan já provaram que estão recuperados. Luan já fez dois jogos, o que é importante. Não estão 100%, mas recuperados. É o ponto positivo. E conseguimos trazer os dois jogadores que já jogaram. Estamos com basicamente todo o grupo, era nosso objetivo – explicou Renato.

Cultura tática

Romildo Bolzan elogia a cultura tática do time do Grêmio (Foto: Lucas Uebel / Grêmio, DVG)

Não houve muito tempo para treinar. Na manhã do último domingo, Renato comandou uma atividade tática no CT Luiz Carvalho. Trabalhou o time titular, que ficou fora da derrota para o Palmeiras, na Arena. Só que não contou, no treino, com Michel e Luan, titulares contra os paulistas. A dupla também esteve machucada há muito tempo. O volante passou por artroscopia há mais de 20 dias. O atacante teve uma lesão muscular no início de setembro.

O trunfo do Grêmio é o que o presidente Romildo Bolzan Júnior chama de cultura tática. Os jogadores se conhecem bem e estão acostumados a estar juntos em campo. Foi com basicamente todos esses jogadores que o Tricolor encantou o Brasil com atuações de luxo na Libertadores, no Brasileirão e na Copa do Brasil.

– O time do Grêmio tem uma bagagem de valores táticos e forma de jogar acumulados. O Grêmio recupera esses valores, posse de bola, capacidade de chegada, capacidade de profundidade, finalização, entrosamento. O time não se perde no tempo quando tem esses valores culturais táticos acumulados. Voltando todo mundo, reproduz essa capacidade de jogar – explicou o mandatário gremista.

Planejamento completo

Lucas Barrios valoriza presença de Luan no time  (Foto: Lucas Uebel / Grêmio, DVG)

O técnico gremista admite que Luan e Michel, embora recuperados e liberados, não estão em seu 100% por terem disputado menos minutos do que o desejado antes da semifinal. Mas há uma situação anímica importante na presença da dupla, além de outras opções no banco de reserva. O Grêmio se mostrou frágil no período sem diversas peças. E agora terá o elenco quase completo à disposição, inclusive com reforços buscados para este estágio da temporada, onde é tudo ou nada para o Tricolor.

– Luan é muito importante, graças a Deus se recuperou, fez dois jogos e treinou. Tomara que ele e Michel estejam prontos, a gente precisa de todo mundo. Temos um time qualificado. Apesar de ter baixas importantes, como Douglas e Maicon, estamos completos e chegamos nesta fase 100% para fazer um grande jogo – disse Barrios.

Duplas refeitas

As voltas de Michel e Luan são importantes por reconstruírem parcerias de muito sucesso. O volante estará novamente ao lado de Arthur. Ambos tiveram um casamento de características quase perfeito. Um é alto, porte físico e mais posicionado, com o desarme como característica. Outro, mais movediço, atuante – e decisivo – na transição ofensiva e também nos desarmes.

Arthur e Michel farão dupla novamente (Foto: Lucas Uebel/Grêmio)

Mais à frente, Barrios se viu isolado sem Luan. Foi do centroavante o último gol gremista na Libertadores, é verdade, nas quartas de final contra o Botafogo. Mas em uma cobrança de falta alçada na área. A dupla Lu-Lu é artilheira no ano. Barrios tem 18 gols, enquanto Luan acumula 14. O camisa 7 soma ainda 10 assistências na temporada.

Poder de decisão

Luan é um dos jogadores mais antigos no elenco atual  (Foto: Lucas Uebel/Grêmio)

Pavimentado desde 2015, mas com algumas mudanças no ano passado, esse grupo já mostrou que tem a capacidade de jogar mata-mata. O poder de decisão do time, especialmente o titular, é elogiado. O ambiente será de pressão, 50 mil torcedores contra nas arquibancadas e muito barulho da Sur Oscura, a principal torcida do Barcelona. Nada, porém, que assuste. Até porque os equatorianos precisam, também, tomar cuidados defensivos.

– A pressão é normal, a torcida empurra. Mas tenho equipe bastante experiente. Podem pressionar, mas sabem que podem sofrer o gol. Grêmio não vai mudar a estratégia. Vamos marcar, mas jogar com a bola – apontou Renato.

O retrospecto do Barcelona

Retrospecto em casa do Barcelona não é o forte  (Foto: AP )

Dentro do Monumental, apesar da presença de público maciça, o Barcelona não tem a melhor das campanhas. Empatou com o Santos, por exemplo, e perdeu para o Botafogo, na fase de grupos. Tem se dado bem, mesmo, fora de casa. E este pode ser um trunfo para o Grêmio: conseguir uma vantagem, um passo adiante do “sair vivo” da primeira partida.

– Não temos um resultado em mente. Vamos tentar fazer nosso jogo. Ter a bola, agredir o Barcelona. Queremos levar uma vantagem para o Brasil. Se vai acontecer ou não, não tem como falar. Mas vamos tentar – apontou Kannemann.



Veja também