Foto: Lucas Uebel/Grêmio

A derrota para o Athletico-PR na última quarta-feira (27) na Arena da Baixada não deve comprometer a meta do Grêmio na reta final do Campeonato Brasileiro. Restando três rodadas, o Tricolor precisa de apenas uma vitória para confirmar matematicamente a classificação direta para disputar a fase de grupos da Libertadores pelo quinto ano seguido.

O desempenho do time gremista, no entanto, deixou um sinal de alerta pensando em 2020. Mais uma vez, o Grêmio teve dificuldade diante de um grande desafio na temporada. O Tricolor havia sofrido derrota parecida para o Athletico-PR na semifinal da Copa do Brasil em partida que não contou com o atacante Everton. Nessa quarta, mesmo com o camisa 11, novamente a equipe de Renato Portaluppi foi superada de forma incontestável pelos paranaenses. Somado a isso, tem ainda a goleada acachapante para o Flamengo na Libertadores.

Esses insucessos aumentam as atenções do Tricolor na necessidade de acerto nas contratações para o ano que vem. O técnico Renato Portaluppi, que ainda precisa renovar seu contrato — que encerra em 31 de dezembro —, admite publicamente que é preciso montar um time mais forte para almejar grandes conquistas em 2020.

— O que posso falar para vocês é que a gente vai reforçar o grupo, sim. Isso aí não vamos abrir mão. Dentro daquilo que é possível para o clube. Sempre com os pés no chão. Nossa torcida ficou 15 anos na fila esperando títulos. E nós provamos, em campo, também, que no momento que se reforça o grupo, você briga por títulos. Nós brigamos e ganhamos nos últimos três anos — declarou o treinador, após a derrota para o Athletico-PR.

Ex-técnico e campeão da Copa do Brasil pelo Grêmio, em 1989, Cláudio Duarte ressalta a necessidade do Grêmio ter um elenco mais qualificado para suportar a exigência do calendário brasileiro. Ele vê o Tricolor com uma equipe forte, mas sem peças de reposição à altura dos titulares na maior parte das posições.

— Essa intenção de reforçar não deve se limitar apenas para o time principal, mas também para o elenco. Em um calendário como o nosso, com tantas competições, exige uma gestão do elenco. Não se pode mudar tanto o desempenho quando saem três ou quatro jogadores —avaliou.

No planejamento da direção gremista e do técnico Renato Portaluppi estão as contratações de, pelo menos, um goleiro, dois laterais, um meio-campista e um centroavante para a próxima temporada. Além da busca por reforços, o Grêmio lidará com as saídas de jogadores. Quatro atletas têm contratos encerrando no final do ano: os laterais Rafael Galhardo e Léo Moura, o volante Rômulo e o atacante Felipe Vizeu. Desses, quem tem maior possibilidade de seguir é Vizeu, que precisa ter o empréstimo junto à Udinese renovado. Outros nomes que não aprovaram, casos dos atacantes Diego Tardelli e André, devem deixar a Arena mesmo ainda tendo contratos longos.

As posições
Goleiro

Alçado a titular após a saída de Marcelo Grohe, Paulo Victor não conseguiu passar confiança para a torcida e foi um dos jogadores mais criticados  ao longo do ano.  Reserva, Julio César também não aprovou quando recebeu oportunidades. Com Phelipe Megiolaro ainda pouco testado, o Tricolor deverá procurar um goleiro maduro e que passe confiança para 2020.

— Algumas posições nitidamente necessitam de reforços para titularidade, e a maioria da crônica e da torcida sabe disso. Dentro de campo, a prioridade número um é um goleiro titular — ressalta o apresentador e comentarista da Rádio Gaúcha Rafael Colling.

Defesa

A dupla de zaga Geromel e Kannemann segue incontestável no Grêmio. Nas laterais, porém, o clube teve dificuldade ao longo do ano. A lesão de Leonardo Gomes escancarou a deficiência no lado direito. Galhardo e Léo Moura têm contratos encerrando no final do ano e não apresentaram desempenho que mereçam uma renovação. No lado esquerdo, Cortez segue como titular, mas com um desempenho que deixou a desejar em vários momentos.

— As laterais são um problema crônico. Na direita, falta alguém que solucione a posição e tome conta dela até que Leonardo Gomes volte, no segundo semestre de 2020. Como Madson voltará, um jogador para a posição é suficiente. Na esquerda, Cortez não se completa. Tem vigor, força, mas falta-lhe acabamento — avalia o colunista de GaúchaZH Leonardo Oliveira.

Meio-campo

As ascensões de Jean Pyerre e Matheus Henrique foram os principais “reforços” do Grêmio em 2019. No setor, o Tricolor tem ainda jovens como Darlan e Patrick surgindo com potencial. A direção, no entanto, deverá buscar mais um volante mais já que Rômulo e Michel ficaram devendo na temporada.

— O meio-campista precisa ser com as características de jogo de Maicon. A ausência do capitão deixa Renato sem uma alternativa de estilo parecido — observa Leonardo Oliveira.

Ataque

Diego Tardelli, Felipe Vizeu e Luciano foram contratados neste ano, mas nenhum conseguiu se firmar como a camisa 9 ideal para o Grêmio, assim como André, que está no clube desde 2018. Em razão disso, a direção irá novamente ao mercado em busca de um centroavante que possa ser o homem gol da equipe de Renato Portaluppi.

— O Grêmio não tem centroavante de qualidade. No momento que o Tricolor voltar a ter um centroavante de imposição, que prenda os zagueiros adversários na área, que faça bem o pivô e saiba cabecear, as coisas deverão melhorar — analisa Rafael Colling. 



Veja também