Reprodução

Juninho lembra como se fosse hoje o dia em que foi convocado para o time o principal do Bahia. Fazia menos de uma semana que ele havia trocado a meia-esquerda pela lateral. Era uma substituição provisória para aproveitar sua técnica e sua velocidade. Porém, uma lesão e uma suspensão do titular e do reserva da posição no Tricolor Baiano, fizeram com que Charles Fabian acelerasse sua promoção.

Era novembro de 2015, e o Brasileirão da Série B estava acabando. O time precisava dele para enfrentar o Santa Cruz-PE. E o garoto, com 17 anos, não fugiu da responsabilidade.

– Comecei como meio-campo. Era o camisa 10 do time. Mas era canhoto, veloz. Me aventurei, estava treinando bem. O Charles Fabian me viu e disse: “Vai ser você” – relembra, destacando as trinta mil testemunhas na Fonte Nova.

Fugir nunca esteve no vocabulário de Juninho. Persistir, sim. Após a separação dos pais, o capixaba se mudou para Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, e passou a ajudar um tio com pequenos trabalhos. Embora fossem atividades extenuantes, o garoto nunca reclamou. Pelo contrário, sempre se refere à infância como “rica”. E carrega as cicatrizes dos tombos daquele tempo como desenhos de um tempo feliz.

– Soltava pipa, jogava bola, andava de carrinho de rolimã. Muitas marcas são dessas brincadeiras, mas algumas são do futebol também – destaca.

A resiliência tem outro nome: Joanilsa. Foi observando a força da mãe em criar ele e outros seis filhos que Juninho não desistiu de ser jogador de futebol. É por ela, inclusive, que se doa em todas as jogadas. E é a ela que dedica todos os gols, o último anotado no empate em 1 a 1 com o Aimoré, na última quarta-feira, no Cristo Rei.

– Minha mãe nunca tinha assistido a um jogo meu. O primeiro foi contra o Bahia (no segundo turno do Brasileirão 2018). Consegui fazer um gol para ela. Se puder fazer mais, vou dedicar a ela. É a minha guerreira – afirma, emocionado.

Gols que não faltam no Tricolor do Sul. São cinco em seis jogos. Mais do que em qualquer outro momento em sua trajetória. Considera esta sua melhor fase e, por isso, espera que a negociação do Grêmio para estender seu contrato termine em final feliz:

– Ainda não me disseram nada de concreto. Meu desejo é fica no Grêmio. Mas tenho que respeitar meu contrato. Meu foco, até maio, é no Grêmio. Se prorrogarem ou comprarem, vou ficar muito feliz.

Juninho vive fase iluminada no Grêmio — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Juninho vive fase iluminada no Grêmio — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

As redes que teima em balançar já trazem uma pulga ao torcedor do Grêmio: será merecia uma titularidade para Juninho? Ele ainda não pensa nisso. Ano passado, já dizia se espelhar em Cortez. Em 2019, utiliza o Estadual para mostrar suas armas. Seu contrato só vai até o fim de maio. O Grêmio quer prorrogar o empréstimo, mas também pensa em exercer a prioridade e comprar o lateral.

Cheguei aqui com pouco prestígio, mas era uma oportunidade de ouro que queria agarrar. O Gauchão é meu prato de feijão.

– Ainda não me disseram nada concreto. Meu desejo é ficar no Grêmio. Mas tenho que respeitar meu contrato. Meu foco até maio é o Grêmio. Se prorrogar ou comprar, vou ficar muito feliz – completa o lateral.

Juninho Capixaba foi titular nos dois jogos de 2019 — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Juninho Capixaba foi titular nos dois jogos de 2019 — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

No momento, o objetivo é ajudar o Grêmio no Gauchão e assimilar as orientações de Renato Gaúcho. Quer aprimorar a parte defensiva para deixar fluir suas virtudes ofensivas. Se tiver chance, é claro, não deixará de marcar mais gols. Porém, ser artilheiro é consequência de um trabalho maior.

– Renato diz que, no primeiro terço do campo, temos que ter cautela e não se desfazer na bola. É um instinto meu tocar e me apresentar. Tenho um pouco do cacoete ainda – reconhece.

O próximo compromisso do Grêmio é na segunda-feira, contra o Juventude, na Arena. Estava previsto que o time reserva, do qual Juninho faz parte, entrasse em campo. Mas o clube gaúcho já inscreveu todos os titulares no Gauchão, o que pode indicar a escalação de força máxima para o duelo da terceira rodada do Estadual. O Tricolor é o líder da competição, com quatro pontos ganhos.



Veja também