Acertado com o jogador, o Grêmio corre contra o tempo para anunciar a contratação de Douglas Costa até o final desta semana. Burocracia e prazo apertado são dois de alguns pontos que precisam ser superados para que a negociação seja finalizada.

A tratativa envolve troca de documentos entre três partes: o próprio Grêmio, o Bayern de Munique, que tem contrato de empréstimo com o atacante até 30 de junho, e a Juventus, com quem o jogador tem vínculo até julho de 2022.

Douglas Costa precisa retornar do empréstimo para a Juventus antes de assinar com o Grêmio e tudo isso precisa ser registrado no sistema de transferências da Fifa dentro dos prazos legais.

A Juventus sinalizou que aceita liberar o jogador. Mas há ainda um outro complicador, que é o fato de a janela de transferências estar fechada na Itália. Isso não impede o acerto com o Tricolor, mas nesse caso é preciso de uma “autorização excepcional” da Fifa, o que pode aumentar o prazo de todo o processo.

O Grêmio precisa finalizar a negociação até às 23h59 de Brasília do próximo domingo, dia 23 de maio, quando fecha a janela de transferências para a entrada de jogadores do Brasil.

A direção do clube confia que possa concluir tudo até quarta-feira, como afirmou o vice de futebol Marcos Hermann, em entrevista após o Gre-Nal de domingo.

Douglas Costa/Juventus — Foto: Francesco Pecoraro/GettyImages

Douglas Costa/Juventus — Foto: Francesco Pecoraro/GettyImages

Entre Grêmio e Douglas Costa já está tudo acertado – o jogador até já postou foto com a camisa do clube em redes sociais. Mas falta definir como será feita a saída da Juventus, se ele vai rescindir ou contrato ou se será emprestado ao clube gaúcho até o fim o vínculo.

ge entrou em contato com o advogado Henrique Soares Pinto, especializado na área esportiva, para que ele explicasse os termos técnicos de como funciona uma transferência internacional padrão, nos mesmos moldes da de Douglas Costa.

Por dever de sigilo profissional, Henrique pediu para não falar especificamente sobre o caso envolvendo Douglas Costa, e sim uma tratativa hipotética. O exemplo abaixo é por nossa conta e explica uma negociação internacional envolvendo três clubes de países diferentes.

Confira o passo a passo:

  • Passo 1: contratação de jogador emprestado

Se um clube “C” (Grêmio) tem interesse em um jogador “X” (Douglas Costa) emprestado, esse deve retornar de empréstimo do clube “B” (Bayern) para o “A” (Juventus).

Se a volta ocorrer fora do período de transferências – ou seja, se a janela de transferências do país do clube A estiver fechada –, é preciso que o clube A (Juventus) peça uma “validation exception” (pedido de validação excepcional) à Fifa, para que o atleta possa ser registrado.

Assim, a Fifa analisará o pedido e decidirá se aprova ou não. No caso de Douglas Costa e a Juventus, a janela de registros na Itália está fechada.

– A Fifa é bem correta ao analisar se o motivo é justo ou uma tentativa de fraude. Por exemplo: um jogador que por algum motivo não atua em um clube voltará para o seu clube e será repassado a outro para jogar. Mas esse retorno para o clube de origem ocorrerá fora do prazo (janela). Assim, é preciso da validação – explica Henrique.

  • Passo 2: acordo para a contratação

A transferência do clube A (Juventus) para o C (Grêmio) pode ser via empréstimo ou venda em definitivo. Em caso de rescisão entre jogador e o clube A, o jogador pode assinar direto com o clube C.

  • Passo 3: registro no TMS da Fifa

Com o contrato assinado, o clube C (Grêmio) dá uma instrução de transferência no Transfer Matching System (TMS) da Fifa e preenche os dados do contrato. O clube A (Juventus) dá uma contrainstrução de transferência e repete os mesmos dados do contrato.

  • Passo 4: o “match” no sistema

Em caso de igualdade nas informações preenchidas pelo clube C (Grêmio) e clube A (Juventus), o TMS confere um “match”, o que quer dizer que os dados conferem. Assim, o status da transferência muda para “aguardando federação do país do clube C (CBF) solicitar o International Transfer Certificate (ITC)”.

  • Passo 5: o trânsito do ITC

A federação do país do clube C (CBF) solicita o ITC no TMS da Fifa para que ocorra a transferência do jogador. A federação do clube A terá que entregar o ITC. Em caso de entrega, a federação do clube C deve confirmar o recebimento do ITC.

  • Passo 6: negócio fechado

A federação do clube C (CBF) confirma o recebimento do ITC, e o clube C (Grêmio) passa a ter o vínculo do jogador. O negócio está fechado.

  • Passo 7: inscrições

O último passo é o clube C (Grêmio) registrar o jogador e inscrevê-lo nas competições. No caso, Douglas Costa teria que ser regularizado no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF e a partir daí ser inscrito a tempo nas competições que o Grêmio disputa.



Veja também