Brasileiros e árabes aguardam por decisão entre Grêmio e Real Madrid

Clubes ainda precisam eliminar Pachuca e Al Jazira para chegar à final

11 de dezembro de 2017 - Às 12:05
Foto: Lucas Uebel

O Grêmio encara o Pachuca, nesta terça-feira , em Al Ain, em uma das semifinais do Mundial de Clubes da Fifa. Mas não há como esconder um desejo não só dos gremistas, como dos árabes que gostam de futebol e mostram conhecimento a respeito da competição. Há uma unanimidade em torno do torneio: todos querem ver um duelo entre Grêmio e Real Madrid na decisão. O assunto é evitado ao máximo na concentração do Grêmio. Mas entre uma conversa e outra, é impossível que alguém não deixe escapar a vontade de ver uma partida de tamanha magnitude. O Tricolor ainda precisa eliminar o Pachuca, enquanto o Real terá o Al-Jazira pela frente. Teoricamente, brasileiros e espanhóis são os favoritos.

Há uma expectativa grande nos Emirados Árabes para saber que tipo de tratamento o Real Madrid dará à competição. Como é de costume, sempre surgem teorias de que o campeão europeu não entra no Mundial com o mesmo interesse que as demais equipes, principalmente os times sul-americanos, que enxergam o Mundial como o ápice de toda uma história.

“Eu joguei na Europa, é lógico que eles dão importância, sabem o quanto é difícil enfrentar uma equipe sul-americana”, diz o centroavante Lucas Barrios, que teve uma passagem de sucesso pelo Borussia Dortmund, da Alemanha. “Primeiro nós temos o Pachuca, um adversário difícil. No Brasil se tem o futebol mais competitivo do mundo, qualquer time grande brasileiro pode fazer um enfrentamento de igual para igual com qualquer time do mundo. Lógico que o Real Madrid tem os melhores jogadores, mas nós temos um grande time e mostramos isso na Libertadores. E queremos jogar uma final novamente”, completa Barrios. O centroavante vive uma seca de gols. Ele não marca desde o dia 20 de setembro, quando fez o gol da vitória por 1 a 0 sobre o Botafogo, na Arena, que garantiu o Tricolor nas semifinais da Libertadores.

Ao contrário do que ocorreu nas decisões da Copa do Brasil do ano passado e da Libertadores, recentemente, o técnico Renato Portaluppi tem dado uma maior liberdade aos jogadores na concentração em Al Ain. Nesse domingo, alguns atletas conversavam com amigos no saguão do hotel onde o Grêmio está concentrado. O próprio Renato, quando se dirigia ao refeitório para o jantar, parou por alguns minutos para bater um papo descontraído com os jornalistas.



Veja também