Foto: Reprodução / RBS TV

Grêmio e Atlético-MG até buscam um acordo extrajudicial para dar fim à novela do Caso Victor. O Galo fez uma proposta para saldar sua dívida – atualmente de cerca de R$ 12 milhões – pela contratação do goleiro, em 2012, que acabou negada pelo Tricolor. Mas entre conversas e sessões nos tribunais, o longo imbróglio também gera um certo desconforto entre as duas partes.

Nesta terça-feira, o presidente do clube mineiro, Daniel Nepomuceno, afirmou que o caso se transformou em uma “novelinha chata” e ainda classificou como “irresponsável” a postura do Grêmio com o episódio. E teve uma resposta. Em contato com o GloboEsporte.com, o mandatário gremista, Romildo Bolzan, garantiu que a situação só se tornou constrangedora justamente pelo prazo da dívida do Atlético-MG, corrente há quase cinco anos.

– Não fomos nós que tornamos (o caso em uma “novelinha chata”). O clube passa todo esse tempo sem pagar (a dívida). Acaba ficando uma situação constrangedora. É constrangedor para todo mundo – afirma Bolzan.

A principal crítica de Nepomuceno tem a ver com os diversos capítulos e as frequentes notícias veiculadas sobre o caso. O presidente afirma que foi feita uma espécie de “espetacularização” de algo que costuma ser de praxe entre os clubes.

– Ah, o juiz deu isso, deu aquilo. Quem provocou isso foi o Grêmio. Toda notícia que um juiz local, de Porto Alegre, dava, saía na imprensa. Ah, aplicou multa: “Grêmio aplica multa no caso Victor”. Virou uma novelinha chata. Claro que eu sentei para conversar com o presidente do Grêmio. Falei: olha, temos uma proposta. Não vou falar a resposta que ele me deu. Isso não interessa. Mas claro que, em todas as ações, tenho a liberdade de conversar com colegas meus, que respeito. Olha, tenho isso, vamos chegar a um acordo. Quando não dá, continua na Justiça, como sempre – destaca Nepomuceno.

O caso Victor

Entre negociações fora dos tribunais, o Grêmio cobra do Atlético-MG uma dívida referente à compra do atleta, em 2012. Em fevereiro, o departamento jurídico gremista conseguiu na Justiça a penhora de parte da venda de Lucas Pratto do Galo ao São Paulo, num montante total de 6 milhões de euros (cerca de R$ 20 milhões).

A decisão judicial prevê o depósito pelo São Paulo, das duas parcelas restantes do negócio diretamente em uma conta vinculada ao processo no valor de R$ 10.508.626,199. No começo de abril, a Justiça aplicou uma multa de 20% do montante, devido ao atraso do Galo no pagamento. O débito total gira em torno de R$ 12 milhões, após a penalização.

Victor é pivô de disputa judicial entre Grêmio e Galo (Foto: Bruno Cantini/Atlético)
Victor é pivô de disputa judicial entre Grêmio e Galo (Foto: Bruno Cantini/Atlético)

O Atlético-MG, por sua vez, não reconhece a dívida e também acionou o Grêmio na Justiça. O clube mineiro cobra uma dívida referente a empréstimos, pelo clube gaúcho, do zagueiro Werley, envolvido na negociação com o goleiro.

O goleiro Victor deixou o Grêmio em junho de 2012, após quatro anos no clube gaúcho. Em troca do jogador, o Grêmio teria direito a receber 50% dos direitos econômicos do zagueiro Werley, atualmente no Coritiba, e 3 milhões de euros, parcelados durante dois anos.



Veja também