A interrupção do futebol mundial a partir da pandemia do novo coronavírus amplia a cada dia os impactos financeiros aos clubes. O Grêmio já fez um plano emergencial, entrou em acordo com jogadores para antecipação de férias e readequações na folha de pagamento, mas ainda não sabe o reflexo no quadro social.

Em entrevista à RBS TV, o vice de futebol Paulo Luz afirma que a austeridade será um dos pilares da estratégia tricolor para o restante de 2020. Também conta com a mobilização dos clubes e entidades para que o esporte sobreviva ao caos proporcionado pela Covid-19.

Vice de futebol Paulo Luz ao lado do presidente Romildo Bolzan Júnior — Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Vice de futebol Paulo Luz ao lado do presidente Romildo Bolzan Júnior — Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

A partir de quarta-feira, o grupo de jogadores entra em férias por 20 dias, com possibilidade de extensão do período. Além disso, está acertado o pagamento dos direitos de imagem do período sem jogos apenas em 2021. Porém, os valores envolvidos são guardados a sete chaves por todos os envolvidos.

– As perdas serão inevitáveis. Um clube com a grandeza do Grêmio tem que se readequar financeiramente com agilidade e é isso que nós estamos fazendo. Nesse primeiro momento, criando viabilidade de mantermos um fluxo de caixa saudável. Essa negociação com atletas foi em altíssimo nível. Me permito não publicizar (os valores). O Grêmio está se resguardando, dizendo que foi um bom acordo para as partes e nos ajuda muito a viabilizar esse ano, que terá que ser de muita austeridade – explica Luz.

“União de todos”

Neste sentido, o Grêmio prepara uma reanálise do orçamento de todas as áreas para 2020. A ideia é diminuir custos para ajudar a passar o momento com menos receitas sem maiores danos. A projeção inicial é um déficit de R$ 25 milhões em três meses.

CEO Carlos Amodeo é o responsável por se debruçar nos números — Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

CEO Carlos Amodeo é o responsável por se debruçar nos números — Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Além dos malabarismos financeiros a cargo do CEO Carlos Amodeo, o Grêmio trabalha nos bastidores em busca de conscientização dos clubes para que as competições a ser disputadas sofram o menor abalo possível. Segundo Paulo Luz, o assunto precisa de atenção de CBF, Conmebol e FGF à medida que a crise do coronavírus avança.

– Tudo isso terá que ser alinhado em um calendário que precisará muito da união de todos, de uma capacidade de aglutinação. Uma forma de buscar soluções negociadas que não vão atender de forma consensual os interesses de todos, mas sim o que é a melhor forma de conduzir esse processo e minimizar os prejuízos – analisa.

Apelo aos sócios

O impacto da crise ainda não pode ser medido no quadro social gremista, que chega a quase 90 mil membros. Os vencimentos das mensalidades permeiam os primeiros 10 dias de cada mês. Portanto, a partir da próxima semana o clube terá um cenário mais real da provável inadimplência.

Grêmio demonstra preocupação com inadimplência de sócios — Foto: Wesley Santos/Agência PressDigital

Grêmio demonstra preocupação com inadimplência de sócios — Foto: Wesley Santos/Agência PressDigital

Vice-presidente eleito e responsável pelo futebol desde fevereiro deste ano, Luz faz um apelo aos torcedores que têm condições de manter os pagamentos em dia mesmo no período sem jogos. Pois entende a situação de muitas famílias diretamente atingidas pelo isolamento social com receitas incertas.

— Nós estamos pedindo para todos os sócios que puderem, porque também entendemos a dificuldade e os compromissos de todos de ordem familiar, talvez priorizando a saúde e a vida. Mas é uma receita ordinária e significativa para o clube. Será fundamental para manter o nosso fluxo de caixa oxigenado e honrar os compromissos que estamos assumindo — pontua.

As atividades no Grêmio estão paralisadas por tempo indeterminado. O Gauchão segue interrompido até nova reunião, em meados de abril. A Libertadores não retorna antes de 5 de maio. A CBF não se manifestou sobre possíveis datas para Brasileirão e Copa do Brasil.



Veja também