A política de contratações estabelecida pela direção do Grêmio para 2022 deixou claro que em apenas duas posições o clube não buscaria jogadores no mercado: goleiro e volante. Nas demais funções, com saídas por término de contrato, rescisões, empréstimos ou vendas, atletas foram e ainda serão trazidos.

Desde o final do Brasileirão do ano passado, o Tricolor já anunciou as chegadas dos laterais Orejuela (direito), Nicolas (esquerdo), Bruno Alves (zagueiro) e Janderson (atacante) e negocia o empréstimo do argentino Martín Benítez (meia).

Com estas cinco contratações efetivadas, a comissão técnica do Grêmio irá analisar as rodadas iniciais do Gauchão, que serão disputadas pelo time de transição, e até mesmo a equipe que participa da Copa São Paulo Júnior para saber quais jogadores poderão receber uma oportunidade no elenco principal e suprir algumas carências ainda existentes.

— Estamos talvez dando uma parada na busca de contratações porque teremos o começo do Campeonato Gaúcho, que será jogado pela equipe de transição e ela poderá revelar jogadores que tornem desnecessária a aquisição de outros perfis ao time profissional. Teremos jogadores que poderão ser observados e demonstrar no campo. Se faltar alguma ou outra peça, poderá acontecer (contratação). O Grêmio já fez negociações que nos garantem a reposição do plantel e pode nos encaminhar para frente — disse o presidente Romildo Bolzan no último programa Sala de Domingo, da Rádio Gaúcha.

Porém, os dirigentes alertam que o clube não está parado no mercado e que segue analisando alguns nomes. A ideia é ainda ter mais um zagueiro, um lateral-direito e um atacante de velocidade. As negociações seguem em paralelo às observações dos times de transição e sub-20.

—A gente pode depois ir complementando com o que for necessário para dar o equilíbrio para o plantel ser competitivo — complementou Bolzan.

Com cinco estrangeiros confirmados no elenco, Kannemann, Orejuela, Campaz, Villasanti e Diego Churín e a possível chegada de um sexto, Benítez, o Grêmio já definiu que não trará mais nenhum “gringo”, já que o limite máximo é de cinco para atuar em competições no futebol brasileiro.

A ideia é ter até 28 atletas no grupo principal para a temporada 2022 e emprestar alguns dos jogadores que não sejam aproveitados após o Gauchão, até para mantê-los em atividade.



Veja também