Foto: Beto Azambuja

A Arena do Grêmio irá receber, na quarta-feira, sua primeira partida oficial com o uso do árbitro de vídeo. Na ocasião, Grêmio e Barcelona-EQU fazem o segundo jogo da semifinal da Libertadores – os gaúchos têm vantagem com vitória por 3 a 0 no Equador. Em entrevista coletiva na manhã desta terça, a Conmebol apresentou o sistema elaborado pela Fifa e suas funções. Para o presidente da Comissão de Árbitros da entidade, o brasileiro Wilson Seneme, o momento é “histórico” para o país.

O VAR (sigla em inglês de árbitro assistente de vídeo) já foi utilizado na partida em Guayaquil e também na outra semifinal entre River Plate e Lanús, mas não precisou definir nenhum lance polêmico. Esse inclusive é o principal objetivo do equipamento: “mínima interferência, máximo benefício”, conforme expressa o material divulgado pela Conmebol. Segundo Seneme, apenas “erros claros” serão levados à análise de vídeo.

– É um momento histórico para Porto Alegre e para o Brasil. Vamos fazer aqui na Arena o primeiro jogo no Brasil com árbitro assistente de vídeo. É a proteção do futebol. Se usarmos da maneira correta, vamos ter uma maior proteção não só do árbitro, mas do jogo também – anunciou Seneme.

Não é a primeira vez, no entanto, que o árbitro de vídeo é utilizado no Brasil. O duelo entre Sport x Salgueiro, na final do Campeonato Pernambucano, já utilizou o sistema e marcou a estreia da modalidade de arbitragem em âmbito nacional.

Ao lado do ex-árbitro brasileiro e do argentino Héctor Baldassi, também membro da Comissão de Árbitros da Conmebol, o português Nuno Pereira representou a empresa encarregada de toda a aparelhagem técnica do sistema. A companhia usa imagens da transmissão oficial e disponibiliza técnicos para manipulação dos lances duvidosos aos árbitros de vídeo. Por enquanto, as jogadas em dúvida não serão mostradas no telão dos estádios, mas a possibilidade existe para o futuro.

Por fatores técnicos e de isenção, a sala de monitoramento será instalada em um contêiner no pátio da Arena do Grêmio. Além de receber o sinal das televisões com maior facilidade, há o cuidado para que o ambiente da partida não afete as decisões em vídeo. Por isso, a estrutura não está em uma cabine do estádio, explica Pereira.

De acordo com a Conmebol, o período de testes compreendeu 30 jogos e dois torneios reais, com mais de 300 horas de vídeo analisadas. Na entidade, há 32 juízes capacitados para a função. Porém, alguns ainda guardam dificuldades para executar prontamente no VAR. O que não muda na atuação dos homens do apito é a forma de atuar.

– Os árbitros têm que ser preventivos, os jogadores têm que ser responsáveis – esclarece Seneme.

Grêmio e Barcelona-EQU se enfrentam às 21h45 desta quarta-feira, em Porto Alegre, com arbitragem de trio chileno: Roberto Tobar apita a partida, auxiliado por Carlos Astroza e Christian Schieman. Como venceu o duelo de idar por 3 a 0, o time gaúcho pode perder por até dois gols de diferença que se classifica à decisão.

 (Foto: Infoesporte)


Veja também