Everton aos poucos monta a mudança para Lisboa. A despedida do Grêmio está cada vez mais perto e deve ocorrer com um jejum de 10 partidas sem marcar. Mas longe de um mau momento. O provável reforço do Benfica tem participação efetiva nos últimos jogos e está envolvido em metade dos gols em 2020.

A quinta-feira não foi de avanços significativos no negócio, já bem alinhavado. O Benfica ainda quer pagar parcelado, algo rechaçado pelo Grêmio.

Mas o Tricolor costura acerto com os investidores envolvidos no negócio para lucrar uma parte maior da venda e ficar com as primeiras parcelas. A proposta portuguesa é de 22 milhões de euros (R$ 137 milhões).

A parte de Everton está encaminhada com o Benfica. O Tricolor tratou com o Fortaleza e Gilmar Veloz, antigo empresário do atleta e detentor de 30% dos direitos do camisa 11, nos últimos dias. Deve ter nova rodada nesta sexta.

— Todo mundo gosta dele, tem carinho grande. Ficamos tristes, mas ao mesmo tempo felizes. Vai para um novo sonho, um novo projeto. Tem conversado comigo, está muito feliz e motivado — comentou Cortez sobre a saída de Everton.

Everton recebe de Geromel troféu do segundo turno do Gauchão — Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Everton recebe de Geromel troféu do segundo turno do Gauchão — Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Restam detalhes para os clubes encaminharem o negócio. Já se fala nos bastidores em possível viagem a partir da próxima segunda a Portugal. A vontade de Everton jogar no Benfica, do qual buscou referências com o amigo Cortez, pesou.

A partida que pode ter sido a única de Cebolinha pelo Grêmio foi de atuação com brilho, apesar de não balançar as redes. Levantou a taça com direito a faixa de capitão no braço e chorou em tom de despedida. Deve ficar fora do jogo com o Fluminense, no domingo.

Jejum, sim, mas a mesma importância

O Gre-Nal foi mais um jogo no qual Cebolinha passou em branco. Mas não deixou de ser decisivo. No ano, o atacante tem três gols marcados e cinco assistências. Além disso, outras seis participações diretas em gols. Está envolvido em 14 dos 27 anotados pelo Grêmio, entre Gauchão e Libertadores.

— (Everton) É um grande profissional. Tem ajudado o clube, o grupo, a mim. Com títulos e gols. É um jogador de seleção brasileira. Que está sendo pretendido por vários clubes. Ainda não foi vendido. Sabíamos que ia ser difícil segurar nesta abertura de janela — disse o técnico Renato Gaúcho após o Gre-Nal.

Everton fez dois gols contra o São José e mais um sobre o Esportivo, todos no campeonato estadual. Deu assistências para Diego Souza, contra Inter e Novo Hamburgo; para Paulo Miranda, contra o São Luiz; para Matheus Henrique, contra o América de Cali; e para David Braz, contra o Brasil de Pelotas.

No último Gre-Nal, esteve presente nos lances dos dois gols. Primeiro, cruzou para Diego Souza escorar e Maicon marcar. Depois, deu um chapéu em Boschilia e tentou o passe na área. Moisés errou, e a bola se ofereceu para Isaque fazer o segundo.

Na semifinal, contra o Novo Hamburgo, além do passe para Diego Souza, Everton participou de outros dois gols. No segundo, recebeu pela direita e fez o cruzamento. Alisson dividiu com o goleiro, e Maicon fez no rebote.

No lance que definiu o 4 a 3, aos 44 do segundo tempo, o camisa 11 faz o toque de cabeça na área. Essa bola gera o erro da defesa do Noia, que entrega para Luciano se tornar o herói da noite.

Já no empate com o Ypiranga, o atacante cruzou da esquerda, o goleiro Deivity tentou fazer o corte, mas errou. A bola caiu no pé de Diego Souza, livre e com o gol aberto. Na vitória sobre o América de Cali, na Colômbia, é o Cebolinha quem sofre a falta que origina o gol de Victor Ferraz.

A partir de domingo, o técnico Renato Gaúcho terá de resolver como fazer o time render sem Everton. Mesmo sem os gols, ele deixa a importância para o setor ofensivo do time bem marcada.



Veja também