O Grêmio sempre soube encarar os momentos mais sérios com a dignidade necessária. Independentemente de momento e campeonato, competia até o último segundo. Mas na derrota por 2 a 0 para a Universidad Católica, na noite desta quarta, no Estádio San Carlos de Apoquindo, não veio resposta. A pressão sobre dirigentes e comissão técnica aumenta.

Dois profissionais estão na alça de mira há algumas semanas e podem acabar demitidos do Grêmio: o preparador físico Márcio Meira e o executivo Klauss Câmara. As contestações internas não são de agora. E podem virar atitude nesta quinta ou após o Gre-Nal da próxima quarta.

A possibilidade da saída dos dois nomes existe, mas também pode não ocorrer imediatamente por conta do clássico da Libertadores. Ainda assim, o ge apurou que a pressão se intensifica a cada jornada ruim, por diferentes motivos, e está no maior nível no ano. Inclusive com promessa de protesto no retorno da delegação a Porto Alegre.

Zampedri comemora gol diante de um cabisbaixo Orejuela — Foto: Staff images /CONMEBOL

Zampedri comemora gol diante de um cabisbaixo Orejuela — Foto: Staff images /CONMEBOL

A noite de quarta-feira foi terrível para o Grêmio no Chile. Dos primeiros segundos de jogo ao final, um time controlado e amarrado pela Universidad Católica, jogando sua quinta partida depois da paralisação por conta da pandemia do novo coronavírus.

O Tricolor vinha no 17º compromisso. E fez sua pior partida em 2020, justamente quando geralmente crescia, nos momentos importantes.

— Às vezes, precisamos mudar um pouco o esquema devido às ausências. Os jogadores se desentendem em campo pela falta de entrosamento. Não é fácil jogar sem sete ou oito — justificou Renato.

Oito minutos com a bola

Mais de 70% de posse de bola para os chilenos e uma superioridade do rival poucas vezes vista em um jogo de Libertadores com Renato no comando — exceto, claro, o 5 a 0 sofrido para o Flamengo ano passado.

O Grêmio ficou com a bola apenas oito minutos no jogo, conforme estatística da TV Globo, contra 28 da Católica. Foram 265 passes trocados, menos da metade dos 556 do chilenos, e 59 incompletos. Ao ser perguntado sobre possíveis mudanças, o técnico pediu calma.

“Agora é muita calma nessa hora, temos que pensar, trabalhar, recuperar os jogadores que estão no departamento médico” (Renato)

Renato Portaluppi em derrota do Grêmio na Libertadores — Foto: Staff images/Conmebol

Renato Portaluppi em derrota do Grêmio na Libertadores — Foto: Staff images/Conmebol

Muito mais do que a atuação de fazer os gremistas temerem pelo futuro, há as consequências. Pedro Geromel deixou o jogo com dores. Mais um problema para o já cheio departamento médico do Grêmio.

Os gols vieram justamente após a saída do zagueiro, no fim do primeiro tempo. Quase imediatamente à entrada de Rodrigues no lugar do capitão, Zampedri abriu o placar. Piñares fez o segundo dois minutos depois, com direito a chapéu em Vanderlei.

O Grêmio volta de Santiago na tarde desta quinta-feira em voo fretado. Há mobilização nas redes sociais para realização de protesto de torcedores no aeroporto. No domingo, o Tricolor encara o Palmeiras, na Arena, pelo Campeonato Brasileiro.



Veja também