O Grêmio goleou o Vasco por 4 a 0 neste domingo, na Arena, e ingressou no G-4 do Campeonato Brasileiro pela primeira vez desde a segunda rodada. Mas, para o torcedor gremista, essa nem foi a principal notícia da tarde.

Mesmo sem algumas peças, o time de Renato Portaluppi deu mais uma demonstração de força e até encantou em alguns momentos. E tudo isso na hora certa, antes das decisões de um mês de dezembro pesado, que pode definir os rumos do time na temporada.

No momento em que as competições se afunilam, o Grêmio segue vivo e com boas chances nas três frentes. No Brasileiro, soma 40 pontos, na quarta colocação, a sete pontos do líder São Paulo. Na quarta-feira, inicia o confronto contra o Santos pelas quartas de final da Libertadores. E no fim do mês, decide uma vaga na final da Copa do Brasil contra o tricolor paulista.

Já são 16 jogos de invencibilidade após passar por cima do Vasco, com 13 vitórias e somente três empates no período. Há exatos 54 dias o Grêmio não sente o gosto da derrota. E nem se dá ao luxo.

Foi assim na tarde do último domingo, quando o time praticamente titular – após preservação na quinta-feira contra o Guaraní, pela Libertadores – goleou a equipe vascaína. O placar dilatado refletiu a superioridade tricolor, mas poderia ter sido mais. Foram 22 finalizações contra seis do rival, de acordo com o Scout da TV Globo.”Respeito outra opinião, mas para mim o Grêmio joga o melhor futebol do Brasil. Tínhamos muitos jogadores fora, e no momento em que todos voltassem eu sabia que ficaríamos fortes e voltaríamos a jogar bem”— Renato, após Grêmio 4×0 Vasco

Grêmio vence o Vasco por 4 a 0 no Brasileirão — Foto: Lucas Uebel/DVG/GrÊmio

Grêmio vence o Vasco por 4 a 0 no Brasileirão — Foto: Lucas Uebel/DVG/GrÊmio

A pressão tricolor deu resultado, com Maicon e Matheus Henrique ditando o ritmo do time. Com a bola no campo adversário, poucas vezes a defesa foi exigida. Paulo Victor, que substituiu o poupado Vanderlei, e também Geromel e David Braz, que se manteve no lugar de Kannemann, pouco trabalharam. Muito pela fragilidade do Vasco, mas também pela competência gremista.

O ataque, sim, trabalhou. E muito. Primeiro com Ferreira, mas o gol foi anulado pelo VAR. Bastou esperar um pouco para que, aos 40 minutos do primeiro tempo, Diego Souza superasse a marcação vascaína para marcar seu primeiro gol na tarde. Ele cabeceou como manda o manual para abrir o placar após cruzamento de Matheus Henrique.

Afundado numa má fase e na zona do rebaixamento, o Vasco pouco reagiu na etapa final. Aliás, nem deu tempo. Em dois minutos, dois gols: Diego Souza novamente foi mortal ao completar o cruzamento de Victor Ferraz e Pinares bateu colocado de fora da área para fazer o terceiro.

O chileno recebeu sua primeira chance como titular, já que Jean Pyerre sentiu desconforto muscular contra o Guaraní. Mostrou alguma falta de entrosamento no primeiro tempo, porém recompensou com o belíssimo chute na etapa final – seu primeiro gol pelo clube. Ele se credencia como boa opção em caso de ausência do camisa 10.

Se a vantagem era de 3 a 0 após dois minutos, bastaram mais três para que Renato já tivesse o jogo contra o Santos na cabeça. O técnico tirou Diego Souza e Maicon, ambos com 35 anos, em uma clara preservação para a partida de quarta-feira pela Libertadores.

Matheus Henrique e Renato Portaluppi em Grêmio 4x0 Vasco — Foto: Lucas Bubols/ge.globo

Matheus Henrique e Renato Portaluppi em Grêmio 4×0 Vasco — Foto: Lucas Bubols/ge.globo

Até mesmo os titulares Matheus Henrique e Pepê saíram para as entradas dos reintegrados Thaciano e Robinho. Renato aproveitou o resultado garantido para rodar o grupo e ainda assistiu Lucas Silva converter a penalidade que precedeu o apito final.

Muito além da goleada, o desempenho comprova a evolução do Grêmio e dá confiança para o confronto contra o Santos. Justamente o último adversário para o qual perdeu, por 2 a 1, pelo Brasileiro, dia 11 de outubro. O jogo de ida das quartas da final da Libertadores ocorre na quarta-feira, às 19h15, na Arena.



Veja também