Nelson Almeida / AFP

Detentor de 50% dos direitos federativos do atacante Everton Cebolinha, o Grêmio se reuniu com os empresários Gilmar Veloz e Celso Rigo, que possuem, respectivamente, 30% e 10% dos direitos do atleta. A reunião foi realizada visando um acordo sobre os valores a serem recebidos por cada uma das partes em uma eventual venda do jogador. Os outros 10% são do Fortaleza, do Ceará, time formador do atleta. 

Em virtude da pandemia de Covid-19, o Grêmio deseja ficar com um percentual maior na venda do atacante neste momento. Segundo apurado pelo repórter Rafael Pfeiffer, a proposta sugerida pelo Tricolor solicita uma diminuição nos valores a serem recebidos pelos empresários, mas dá em troca percentuais de futuras vendas de jogadores da categoria da base ou do grupo de transição.

Ambos os empresários sinalizaram de forma positiva para o acordo, que está praticamente encaminhado, e isso pode aproximar Everton de uma saída do Grêmio. O fatiamento dos direitos federativos era um dos fatores que dificultava a negociação com os clubes europeus, entre eles, o Napoli, que já manifestou interesse no jogador. 

O presidente Romildo Bolzan Júnior segue afirmando que não recebe contato do Napoli há mais de um mês. Segundo fontes próximas à direção, o Grêmio aceitaria iniciar negociações com o clube italiano se uma proposta na casa dos 28 milhões de euros chegasse à Arena. 



Veja também