Ivan Storti / Santos FC/Divulgação

Embora o Natal não tenha trazido nenhum presente ao torcedor gremista, o clube trabalha insistentemente nos últimos dias de 2019 para anunciar um reforço antes da virada do ano. Entretanto, a “cereja do bolo” deve ficar para janeiro. Além da busca por jogadores para o setor ofensivo, o Grêmio entende que precisa de um atleta que se encaixe no perfil de Maicon. Ou seja, que tenha imposição física, qualidade técnica e liderança. Dentre os nomes analisados, surge Carlos Sánchez, do Santos.

Enquanto passa férias com a família na Disney, nos Estados Unidos, o volante uruguaio de 35 anos aguarda um desfecho sobre seu futuro. Conforme noticia a imprensa paulista, o Santos tem uma dívida com o agente do jogador, Nelson Ferro, além de não ter pago parte das luvas por sua contratação ainda em 2018. Por isso, nos próximos dias, um encontro acontecerá na Vila Belmiro para discutir a situação. Inclusive, não se descarta uma rescisão do contrato que vai até julho de 2021.

— Esta é uma relação do Santos com o Carlos Sánchez e com seu empresário. Ficamos apenas observando. O Santos é um grande parceiro do Grêmio e não vamos nos atravessar nesta negociação. Mas é um bom nome. Apesar da idade, tem um perfil bastante interessante. Se surgir uma oportunidade mais adiante, quem sabe? — admitiu o vice-presidente gremista Cláudio Oderich, em entrevista à Rádio Gaúcha.

Apesar de Sánchez ter terminado a temporada como artilheiro e líder de assistências da equipe santista, não é a primeira vez que se especula uma saída sua. Enquanto o técnico Jorge Sampaoli negociava com Palmeiras e Atlético-MG, o nome do jogador figurou em uma lista de reforços entregue às diretorias. Com o desacerto do treinador argentino com estes clubes, as tratativas sequer avançaram.

— O Sánchez está feliz na cidade. Poucos dias antes da última rodada do Brasileiro, ele me disse que pretendia cumprir o contrato com o Santos até julho de 2021, antes de voltar ao Uruguai. Foi o artilheiro do time e líder de assistência na temporada. Com a saída de Ferraz para o Grêmio e Gustavo Henrique para o Flamengo, deve herdar a faixa de capitão. Acho difícil ele deixar a Vila, mesmo com o imbróglio envolvendo a comissão do empresário e as luvas que ainda tem pra receber desde que chegou a Baixada Santista, no começo do segundo semestre de 2018 — comenta Ademir Quintino, jornalista do Esporte Interativo.

Antes de Sánchez, o Grêmio já buscava no mercado um atleta que correspondesse a estas características. Prova disso é que abriu conversas por Bruno Henrique, do Palmeiras, e tinha até um encaminhamento positivo. Capitão do time alviverde, o atleta de 30 anos estaria disposto a se transferir de São Paulo depois que sua esposa foi hostilizada por torcedores insatisfeitos com os resultados da equipe.

O Grêmio tinha algumas negociações mais adiantadas com o Palmeiras, mas com a chegada do Vanderlei Luxemburgo, elas esfriaram porque o treinador pediu para eles ficarem.

— É um nome bem interessante — confidenciou Oderich.

Outro nome que também consta no radar gremista é Lucas Silva, jogador que defendeu o Cruzeiro até junho, por empréstimo, e está livre no mercado desde setembro, quando rescindiu seu vínculo com o Real Madrid. Este, aliás, já foi analisado em meio a este ano, mas acabou não concretizando sua vinda por conta do fechamento da janela de transferências internacionais.

A busca incessante por um volante se explica pela ausência, na retomada dos trabalhos, da dupla que foi titular em 2019. Maicon, com uma cirurgia no joelho esquerdo, e Matheus Henrique, convocado para disputar o Pré-Olímpico na Colômbia, não estarão à disposição de Renato Portaluppi por todo o mês de janeiro. Entretanto, apesar da necessidade, a diretoria entende que os principais desafios se darão a partir da segunda metade do ano.

— A gente não tem pressa. Esperamos que no Gauchão a gente possa testar os meninos da base com grande potencial — analisou o dirigente tricolor.

Assim, o torcedor não precisa se desanimar com o fato de não ter sido anunciada nenhuma contratação de grife. Após os insucessos de “Cebolla” Rodríguez, André, Marinho e Diego Tardelli, atletas que exigiram um maior investimento e causaram furor quando desembarcaram em Porto Alegre, o Grêmio dá passos com cuidado. Acima de tudo, observa atentamente para qual lado pode dar o tiro certo.



Veja também