Por Giovani Mattiollo
- Às 06:29
7

Eduardo Moura

Dois dias após a derrota de virada para o Fluminense e antes de um jogo decisivo pela Libertadores, Renato Gaúcho tratou de elevar a confiança do grupo do Grêmio. O treinador, que não costuma conceder entrevista na véspera de jogos, pediu para falar com os jornalistas após o treino desta terça-feira – como faz nos momentos de pressão. Na entrevista, falou sobre as críticas que fez ao time e projetou o confronto contra a Universidad Católica, nesta quarta, na Arena.

O técnico voltou a usar a expressão “dar mole”, repetida mais de 30 vezes na entrevista de domingo, para explicar a oscilação do Grêmio no início do Campeonato Brasileiro, com um ponto ganho em três rodadas. Disse que o problema da falta de concentração é “fácil de corrigir” e bateu palmas para o seu grupo de jogadores. Com a autoconfiança que o caracteriza desde os tempos de jogador, afirmou que, apesar dos tropeços, seu time é o melhor do Brasil.

– Não sei se vamos contar a palavra hoje. Tive uma conversa muito boa hoje de 1h30 com o meu grupo. E colocar para você que o “dar mole” é muito fácil de corrigir. Já comecei a corrigir hoje. Minha equipe nunca deu esse mole todo. Em um ou outro jogo, inclusive o domingo, os três jogos do Brasileiro, a gente deu esse mole todo. Por outro lado, todo mundo se apegou à palavra “dar mole”. Eu fiz justamente esse gesto aqui para o meu grupo hoje (palmas). Meu grupo deu uma aula de futebol. O dar mole, a gente corrige. Comprar futebol, ninguém compra. Meu time é o melhor do Brasil. O meu time joga o melhor futebol do Brasil – declarou.

“Eu fiz justamente esse gesto aqui para o meu grupo hoje (palmas). Meu grupo deu uma aula de futebol. O dar mole, a gente corrige. Comprar futebol, ninguém compra. Meu time é o melhor do Brasil. O meu time joga o melhor futebol do Brasil” (Renato Gaúcho)

Para Renato, a virada para Fluminense ocorreu principalmente pela acomodação e falta de concentração de alguns jogadores após o time abrir 3 a 0 no placar antes dos 21 minutos de jogo. O treinador afirmou ainda que não foge de suas responsabilidades, mas que o time parou de fazer aquilo que havia sido proposto para a partida na preleção.

– Dar mole é parar de correr, deixamos de fazer o que combinamos. Sufocar , marcação espelhada, não deixar o time deles jogar. Pressionamos, fizemos o que combinamos e conseguimos fazer três gols em 30 minutos. Aí deixamos de marcar, correr, começamos a querer só a bola no pé. Aí é dar mole. Se continua fazendo a mesma coisa, não tenho dúvidas que ia ser cinco ou seis normalmente. Achamos que estava decidido. Não tem outra explicação. Para quem entende de futebol, se tem cinco que deixam de fazer as coisas, estoura lá atrás. Passou na cabeça de alguns que estava decidido. Colocamos tudo que fizemos no lixo, algumas pessoas colocaram, mas eu não posso colocar no lixo – destacou.

Grêmio Fluminense Kannemann Renato — Foto: Wesley Santos/Agência PressDigital

Grêmio Fluminense Kannemann Renato — Foto: Wesley Santos/Agência PressDigital

Mesmo com os erros do seu time, Renato qualificou a derrota para a equipe de Fernando Diniz como a melhor jogo do Campeonato Brasileiro até aqui. Garantiu que a equipe terá uma postura totalmente diferente contra os chilenos nesta quarta, com foco e concentração, e convocou a torcida para lotar a Arena. Maior ídolo da história do clube, campeão da Libertadores como jogador e técnico, pediu um voto de confiança de torcida gremista.

– Sei que a torcida do Grêmio confia no Renato. Vocês sabem que não é meu dia (de falar), falei para dar entrevista, justamente para passar essa confiança toda para o torcedor. O torcedor ficou chateado no domingo, mas volto a repetir, são coisas fáceis de corrigir. Mais o futebol ofensivo, fica bem mais difícil ter isso. O Grêmio tem. O torcedor pode ficar tranquilo que vamos voltar a fazer o que fizemos nos 35 minutos (iniciais contra o Fluminense). A história do jogo vai ser totalmente diferente – concluiu Renato.

Vice-líder do Grupo H, com 7 pontos, o Grêmio precisa ao menos empatar com a Universidad Católica para avançar as oitavas de final. O time chileno tem os mesmos 7 pontos, mas está em desvantagem nos critérios de desempate, e precisa vencer para avançar em segundo do grupo, liderado pelo Libertad, que tem 12. A partida ocorre às 19h15, na Arena.


Comentários