O torcedor de futebol é um abnegado em crer em missões impossíveis. A matemática joga contra qualquer tipo de confiança ao Grêmio na noite desta quarta-feira, contra o Rosario Central, na Arena, pela quarta rodada da Libertadores. Pois o duelo das 21h30pode eliminar o time de Renato Gaúcho, que confia veementemente na classificação às oitavas de final.

Porém, a passagem de fase também depende do resultado do outro jogo do Grupo H, entre Universidad Católica e Libertad. Cinco motivos para o torcedor ir ao estádio com o sentimento renovado mesmo após a derrota da semana passada e os 9,6% de chances de se classificar, conforme os cálculos do matemático Lauro Araújo.

– Precisamos entrar focados os 90 minutos, não podemos ter momento de desatenção, são decisões. Ter agressividade para, quando ter oportunidade, matar o jogo e não dar brecha para o adversário. Sabemos da qualidade deles. Fazer o que sabemos de melhor, toque de bola, para tudo ocorrer certo – comentou o volante Matheus Henrique.

Mudanças funcionaram

Entre a derrota para a Católica e a vitória sobre o São Luiz, que classificou a equipe para a final do Gauchão, Renato Gaúcho combateu o abatimento com uma entrevista surpresa. Afastou Luan e modificou quatro peças no time titular por opção técnica. No meio-campo, Matheus Henrique, Jean Pyerre e Alisson deram mais intensidade ao setor sem fazer cair a qualidade técnica.

No ataque, André é o centroavante em melhor momento, mesmo com Diego Tardelli e Felipe Vizeu disponíveis. A tendência é que as trocas se mantenham para o jogo desta quarta-feira. Especialmente Matheus e Jean, nomes mais pedidos pela torcida.

Renato contra argentinos

Apesar de abatido após a derrota no Chile, Renato já mudou seu astral ao retornar a Porto Alegre e chamar a entrevista coletiva da última sexta-feira. O treinador confia na reação do seu elenco e na classificação para a próxima fase. Para quem tem uma estátua, a palavra basta para mobilizar os gremistas.

Mas mais do que isso: o treinador, contra argentinos, tem 13 partidas disputadas desde seu retorno, com oito vitórias, três empates e duas derrotas, com a eliminação para o River Plate ano passado. E dois títulos: a Libertadores sobre o Lanús e a Recopa em cima do Independiente.

Renato tem bom retrospecto contra os argentinos — Foto: Lucas Uebel/Grêmio/Divulgação

Renato tem bom retrospecto contra os argentinos — Foto: Lucas Uebel/Grêmio/Divulgação

Arena na Libertadores

O ano do Grêmio tem bons números fora da Libertadores. Por exemplo, não perdeu dentro de casa no Gauchão. É verdade que, contra o Libertad, a Arena não funcionou. Mas são 27 jogos pela competição continental no estádio gremista desde 2013. E 20 vitórias. Um aproveitamento de 74%. A projeção é de de 27 mil torcedores.

– Precisamos de todo o apoio possível. É como um casamento: se a torcida vem junto e a gente se entrega, fica difícil vencer o Grêmio aqui. Sabemos que o torcedor está acostumado a ir na Arena e incentivar. Vamos nos entregar no campo para o apoio aumentar mais ainda – comentou André.

Grêmio conta com o apoio da torcida — Foto: Lucas Uebel / Grêmio, DVG

Rosario em má fase

O adversário da noite inspira cuidados, mas vive um péssimo momento. Tem apenas uma vitória em 2019 e é o lanterna no grupo, com o mesmo número de pontos do Grêmio. Cinco titulares (Caruzzo, Ortigoza, Camacho, Rinaudo e Zampedri) permaneceram na Argentina. O foco é a Copa da Superliga, na próxima segunda, contra o Aldosivi. Allione, Leonardo Gil e Bettini se recuperam de lesão, enquanto Ortiz cumpre suspensão.

– Não estão bem no campeonato deles, é diferente também. Time argentino é chato, vem para brigar, para competir. Vamos igualar a competitividade, e a nossa parte técnica vai ser decisiva – afirma Matheus Henrique.

Diego Cocca assumiu faz pouco e mudou o time do Rosario — Foto: Matheus Beck / GloboEsporte.com

Diego Cocca assumiu faz pouco e mudou o time do Rosario — Foto: Matheus Beck / GloboEsporte.com

Tradição na competição

O Grêmio só caiu na fase de grupos duas vezes. A última delas ocorreu em 1990. Há 29 anos, portanto. Em 2017, levantou o tri da América. No ano passado, foi até a semifinal, quando acabou eliminado pelo River Plate.

O clube gaúcho é o brasileiro com maior participação na competição, com 19. Nesta noite, vai se tornar o time do país com mais jogos na Libertadores, com 185, mesmo número do São Paulo.

Grêmio foi campeão em 2017 — Foto: Lucas Uebel / Grêmio F.B.P.A.

Grêmio foi campeão em 2017 — Foto: Lucas Uebel / Grêmio F.B.P.A.


Comentários