Por Giovani Mattiollo
- Às 12:21
1

JAVIER GONZALEZ TOLEDO / AFP

O Grêmio deixou a Argentina em voo fretado já na madrugada desta quarta-feira em desvantagem após ser batido por 2 a 1 pelo Estudiantes, em Quilmes, pelo jogo de ida das oitavas de final da Libertadores. Mas o desembarque em Porto Alegre não foi com o sabor amargo, típico de derrotas. Após viver uma noite de atuação abaixo do habitual, o Tricolor valoriza o gol marcado fora de casa e chega até a considerar o revés um “bom resultado”.

A própria entrevista coletiva de Renato Portaluppi ao final da partida já servia de bom indicativo. Ao seu estilo, o técnico encheu seus atletas de confiança e afirmou que o Grêmio sai “vivíssimo” da partida. E foi endossado pelo vice de futebol Duda Kroeff. De acordo com o dirigente, o Tricolor teve uma atuação “razoável”, em que estava bem até o golaço de Apaolaza, logo aos 8 minutos.

Duda Kroeff viu resultado como "razoável" (Foto: Eduardo Moura)

Duda Kroeff viu resultado como “razoável” (Foto: Eduardo Moura)

O chute do gringo na gaveta desestabilizou a equipe, que se atrapalhou e sofreu o segundo tento, aos 37, em cabeçada de Campi após cobrança de escanteio. Ainda na primeira etapa, Kannemann descontou com o gol valioso que dá mais tranquilidade. O parecer é de que os “sustos” como o vivido na Argentina fazem parte da campanha rumo ao tetra continental.

– Atuação razoável. Resultado mais do que razoável. Pode ser um bom resultado. O Grêmio estava bem nos primeiros minutos, até tomar o gol. Mas eles acertaram aquele chute maravilhoso. O Grêmio sentiu o gol, se atrapalhou um pouco. No segundo tempo foi bem. O importante é passar. Conheço o Grêmio há muito tempo e costuma crescer mais para frente. Temos levado alguns sustos, mas faz parte. Nem sempre vai ser fácil, um mar de rosas – avalia Kroeff.

André lamenta chance perdida contra o Estudiantes (Foto: AP/Gustavo Garello)

André lamenta chance perdida contra o Estudiantes (Foto: AP/Gustavo Garello)

A análise do dirigente é partilhada por Kannemann. O argentino ressalta que o Tricolor teve dificuldades em “entender” o jogo em um campo “pequeno” nos primeiros minutos e sentiu o golaço rival. De acordo com o zagueiro, houve melhora na segunda etapa, após conversa com Renato.

– Os primeiros 10, 15 minutos, não conseguimos entender o jogo, o campo pequeno. A bola travava um pouco. Eles fizeram um golaço e um gol na bola parada. Conseguimos um gol que deu tranquilidade, o Renato falou para todo mundo se tranquilizar, para botar a bola no chão e tentar jogar. No segundo tempo, fomos melhores, dominamos grande parte do jogo e tivemos duas oportunidades para conseguir o empate. Estamos vivos para jogar na Arena – ressalta Kannemann.

Após a derrota em Quilmes, o Grêmio precisa de uma vitória simples por 1 a 0 para avançar às quartas de final da Libertadores. O duelo da volta está marcado para o próximo dia 28, às 21h45, na Arena. Antes, o Tricolor enfrenta o Vitória neste domingo às 19h, em casa, pela 18ª rodada do Brasileirão, mas com time reserva, já de olho na decisão com o Flamengo, pela Copa do Brasil, no Maracanã, na quarta-feira seguinte.


Comentários