Por Giovani Mattiollo
- Às 06:09
1

PEDRO H. TESCH/ELEVEN/ESTADÃO

Ansiedade, favoritismo, imposição do adversário. Muitas foram as palavras usadas pelos jogadores do Grêmio para definir a má atuação diante do Libertad, na derrota por 1 a 0, nesta terça-feira, na Arena. Mesmo assim, o elenco gremista acredita que pode buscar as vitórias fora de casa e se classificar às oitavas de final da Copa Libertadores.

O capitão Maicon, que deixou o campo no segundo tempo para a entrada de Jean Pyerre, credita ao nervosismo em marcar o gol a desestabilização defensiva do time gaúcho. Por isso, segundo ele, cedeu um contra-ataque à equipe paraguaia no final do primeiro tempo.

– A gente não conseguiu impor nosso ritmo. Sofremos bastante. Tivemos mais posse de bola, mas não concluímos em gol. Sabíamos desta proposta e acabamos entregando para eles – explica. – Ficamos chateados, queríamos vencer, mas Libertadores é assim. Agora temos que correr fora de casa para conseguir os resultados.

O meia-atacante Everton, autor do único gol gremista até aqui nesta edição da Libertadores, acredita que o Grêmio passou a ser muito visado pelas atuações nos últimos anos. De qualquer maneira, garante que a chave será virada para o Gre-Nal, neste domingo, às 19h:

– É uma competição bem difícil. Quando vem se destacado, há dois anos, em uma boa pegada, as equipes acabam marcando mais. Acabamos aceitando o estilo de jogo deles. Vamos ver no que erramos, tem muita coisa pra ajustar, mas também tem pontos positivos. Temos que buscar os resultados fora e, onde jogarmos, vamos em busca dos três pontos.

Para o zagueiro Kannemann, a proposta de jogo do Libertad também deve ser exaltada:

– Fizeram um trabalho bom, temos que reconhecer o adversário. Em um contragolpe, conseguiram aproveitar. Pecamos nos últimos 10 metros, 15 metros. Todo mundo está correndo ao máximo, demos tudo. Agora, temos que seguir trabalhando porque ainda temos possibilidades matemáticas de classificar.

O Libertad disparou na liderança do Grupo H com seis pontos. Nesta quarta-feira, o Universidad Católica recebe o Rosario Central, em Santiago. O Grêmio torce por um empate para que nenhuma equipe dispare. Depois, no dia 4 de abril, vai buscar no Chile a primeira vitória contra os cruzados.


Comentários