Por Giovani Mattiollo
- Às 12:13
1

Diego Vara/BP Filmes.

Aos 22 anos, Everton já se tornou um veterano com a camisa do Grêmio. Em 2019, entra na sexta temporada com a camisa tricolor. Porém, não se acomoda. O objetivo é sempre superar as conquistas do ano anterior. Para isso, não bastam apenas gols e títulos: quer ser nome permanente nas convocações de Tite para a Seleção Brasileira.

Após um mês de preparação com o grupo principal, Everton estreou contra o Juventude, na terceira rodada do Gauchão. O primeiro gol veio logo no segundo jogo, contra o São Luiz, na rodada seguinte. Neste domingo, contra o Avenida, volta a ser titular para tentar cumprir duas missões: ajudar o Grêmio a conquistar a primeira taça do ano e atingir uma performance ainda melhor do que a da temporada passada.

Everton chega à sexta temporada profissional pelo Grêmio — Foto: Matheus Beck / GloboEsporte.com

Everton chega à sexta temporada profissional pelo Grêmio — Foto: Matheus Beck / GloboEsporte.com

— Sou um cara se cobra muito. Quando você vem de uma temporada boa, como foi a minha passada, a gente espera que a próxima seja ainda melhor. Tenho isso dentro de mim. Tenho metas. Vou dar o meu melhor, o meu máximo em prol do Grêmio — garante, em entrevista coletiva.

Aliás, o gráfico mostra uma evolução constante do jogador. Everton sempre marcou mais gols do que na temporada anterior, além de entrar em mais partidas do que no ano anterior, exceto em 2018. Sinais que demonstram um amadurecimento tão natural quanto planejado.

Como este ano tem Copa América, Everton espera uma dupla conquista: disputar o torneio com a camisa verde e amarela e ainda ganhar um título em casa. O plano foi internalizado pelo jogador. No entanto, sabe que precisa demonstrar alto nível desde os primeiros jogos para ser relembrado pelo técnico da Seleção:

— Vários jogadores estão no radar do Tite e de seus auxiliares. A gente sabe que começa um pouco atrás, por ser começo de temporada. Na Europa, já estão no meio da temporada. Mas a gente procura uma adaptação o mais rápido possível. Sentimos o ritmo de jogo no primeiro, no segundo jogo, que é sempre mais difícil. Quem tiver chance, quem o professor lembrar, precisa estar bem preparado.

Everton se profissionalizou em 2014. No ano seguinte, virou peça-chave do Grêmio. Em 2016, fez gol até na final da Copa do Brasil. Ainda ganhou a Libertadores e fez gol no Mundial de Clubes, na semifinal contra o Pachuca. E em 2018, veio a primeira convocação para a Seleção Brasileira. Resta saber se conseguirá cumprir as metas.


Comentários