Por Giovani Mattiollo
- Às 20:28
4

Foto: Eduardo Moura

Desde o dia 30, um pensamento povoa a mente dos torcedores gremistas: “imagina se aquela bola do Everton tivesse entrado”. A própria situação acontece também com o protagonista. O atacante, em entrevista coletiva, admitiu que ainda não superou o gol perdido contra o River Plate, há mais de uma semana, na semifinal da Libertadores. E justificou com o fato de não estar 100%.

A partida ainda estava 1 a 0 para o Grêmio. O acordo entre Renato e Everton era de que se houvesse vantagem, o técnico o colocaria em campo para dar ritmo ao atacante, depois de três semanas de recuperação. Ao ficar cara a cara com Armani, finalizou, mas parou na defesa do goleiro.

– Pior que não (superei), a gente tenta não pensar, porque ficamos chateados, mas não consegui dormir na noite do jogo, fiquei revendo o lance. Ficamos chateados porque poderia dar melhor e não estava apto. Mas isso é passado, temos que levantar a cabeça, tem muitas águas para rolar agora – admitiu Cebolinha.

Unanimidade e artilheiro com 17 gols, o camisa 11 passou a ser alvo de críticas de alguns torcedores nas redes sociais, embora a grande maioria apoie o atacante. Desta vez, nada que tire o sono de Everton. O foco passa a ser, a partir de agora, entrar no G-4 e estar na fase de grupos da Libertadores do ano que vem.

– Vou falar que críticas vão existir, isso a gente está acostumado, bem tranquilo. Eu fiquei chateado comigo, sabia que não estava 100% na partida. Entrei para pegar o ritmo, voltando a jogar depois de três semanas, não treinei nenhum dia, voltei direto para o jogo. Acho que chateado fiquei comigo, não estava 100%, se tivesse poderia ter sido diferente – lamenta Everton.

Everton em treino do clube — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Everton em treino do clube — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Everton volta a ser titular no domingo, contra o Vasco, às 17h, no reencontro do Grêmio com a Arena após a queda na Libertadores. O Tricolor treina nas manhãs de sexta e sábado antes do jogo, e terá as prováveis ausências de Luan e Kannemann.


Comentários