Por Giovani Mattiollo
- Às 12:10
39

Edílson lamenta pênalti perdido contra o Cruzeiro (Foto: Reprodução / SporTV)

Pela segunda vez no ano, o Grêmio viu o sonho de mais um título esfumaçar-se nos pênaltis. Assim como ocorrera na semifinal do Gauchão, contra o Novo Hamburgo, o Tricolor foi eliminado pelo Cruzeiro na mesma fase da Copa do Brasil, na noite de quarta-feira, por erros decisivos na marca da cal. No Brasileirão, os jogadores também falharam em metade das penalidades que a equipe teve a seu favor, o que contribui para uma distância praticamente irrecuperável de 10 pontos para o líder Corinthians.

A estatística negativa vai além no quesito. Se somadas todas as 27 cobranças de pênaltis, em decisões ou durante os 90 minutos, os tricolores erraram 11, ou 40,7%. O atacante Luan, por sua vez, já errou quatro dos oito chutes diante dos goleiros rivais na temporada.

O primeiro ato do maior pecado do Grêmio até aqui na temporada ocorreu no Campeonato Gaúcho. Depois de empatar duas vezes com o Novo Hamburgo por 1 a 1 nas semifinais, o Tricolor caiu nas penalidades máximas por 7 a 6 no Estádio do Vale. Na ocasião, Lincoln, Pedro Rocha e Kannemann não estavam com a mira em dia.

Nas 22 rodadas disputadas pelo Brasileirão até o momento, o Grêmio teve seis pênaltis a favor. Errou metade. Fernandinho e Barrios, contra Sport e Vasco, nas terceira e quarta rodadas, acertaram. Na Arena, na derrota para o Corinthians, Luan desperdiçou a chance de pelo menos empatar o duelo. De novo em casa, Edílson perdeu no revés para o Avaí, quando o placar ainda estava zerado – terminou 2 a 0 par os catarinenses. Barrios voltou a acertar na vitória sobre a Ponte Preta por 3 a 1, e Marcelo Oliveira errou o último na derrota dos reservas por 1 a 0 para o Botafogo. Como consequência, a diferença para o Timão está em 10 pontos, com obrigação de poupar os titulares para o mata-mata da Libertadores.

A chance de redenção veio na noite de quarta-feira, no Mineirão. O time de Renato Gaúcho não conseguiu segurar a vantagem de 1 a 0 do primeiro jogo da semifinal da Copa do Brasil sobre o Cruzeiro, na Arena, e perdeu pelo mesmo placar no tempo normal. Na decisão por pênaltis, Edílson, Everton e Luan falharam. Mesmo após Marcelo Grohe defender dois chutes dos mineiros, o Tricolor deu adeus à competição na cobrança de Thiago Neves.

PÊNALTIS PERDIDOS

Data Jogo Campeonato Jogador
23/04 Novo Hamburgo 1 (7) x (6) 1 Grêmio Gauchão Lincoln
23/04 Novo Hamburgo 1 (7) x (6) 1 Grêmio Gauchão Pedro Rocha
23/04 Novo Hamburgo 1 (7) x (6) 1 Grêmio Gauchão Kannemann
27/04 Grêmio 4 x 1 Guaraní Libertadores Luan
25/05 Grêmio 4 x 0 Zamora Libertadores Luan
25/06 Grêmio 0 x 1 Corinthians Brasileirão Luan
09/07 Grêmio 0 x 2 Avaí Brasileirão Edílson
13/08 Botafogo 1 x 0 Grêmio Brasileirão Marcelo Oliveira
23/08 Cruzeiro 1 (3) x (2) 0 Grêmio Copa do Brasil Edílson
23/08 Cruzeiro 1 (3) x (2) 0 Grêmio Copa do Brasil Everton
23/08 Cruzeiro 1 (3) x (2) 0 Grêmio Copa do Brasil Luan

– Infelizmente, saímos de uma grande competição, assim como no Gauchão, nos pênaltis. Não foi por falta de treinamento. Eles (jogadores) treinam bastante. A bola tem que entrar. Ainda brinquei antes da viagem, treinamos praticamente toda a semana. Disse que, caso não quisessem sofrer, que não levassem para os pênaltis. Aí foi sofrimento total – comentou o técnico após a eliminação.

Luan erra quatro de oito

Principal cobrador de pênaltis da equipe no ano, Luan não tem sido feliz na marca da cal. Mas até começou a temporada com o pé calibrado. Acertou as três primeiras cobranças, nas vitórias por 2 a 0 sobre o Zamora, pela Libertadores, e 4 a 0 sobre o Juventude, pelo Gauchão, e também na disputa que acabou em eliminação para o Novo Hamburgo, na semifinal do estadual.

Das outras cinco, converteu apenas uma. Na vitória por 4 a 0 sobre o Zamora, novamente pela Libertadores, acertou um pênalti e errou outro. Antes disso, já havia perdido no 4 a 1 sobre o Guaraní. Na sequência, acumulou os dois erros mais importantes até aqui: na derrota para o Corinthians, em plena Arena, pelo Brasileirão, e na última cobrança tricolor na noite de quarta-feira, diante do Cruzeiro, que parou no goleiro Fábio.

– Carrasco, não. Eu errei o pênalti. Todos podiam errar. Não fui só eu. Fico muito triste. Só que a gente tem que colocar na cabeça que não é só no jogo de hoje. Não fizemos algumas coisas durante a partida. Poderíamos ter feito um gol – afirmou Luan, para depois negar qualquer tipo de “trauma”. – Trauma nada. Ele (Renato) perguntou quem ia bater. Eu disse que ia. Se tiver que bater, vou bater de novo. Não vai ser o pênalti de hoje (quarta) que vai me abalar.

Nos próximos dias, os titulares devem ganhar folga, já que a partida contra o Sport, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro, foi transferida do fim de semana para o dia 2. E o time volta a entrar em campo justamente diante do Cruzeiro, na quarta que vem, pelas quartas de final da Primeira Liga. O jogo será no Mineirão, às 21h45, e Renato deve escalar os reservas.


Comentários