Lucas Uebel/Grêmio

Poucos jogadores terão uma sensação nova ao entrar em campo no primeiro jogo da semifinal da Libertadores contra o Flamengo, nesta quarta-feira, às 21h30, pelo lado do Grêmio. Um deles é Matheus Henrique. O jovem revelado pelo São Caetano e lapidado no Tricolor será titular pela primeira vez em uma partida desta importância.

Junto do hoje lesionado Jean Pyerre, Matheus é a joia gremista em 2019. Com características semelhantes a Arthur, ocupou justamente o vácuo deixado pelo agora jogador do Barcelona para ditar o ritmo do meio-campo. Assim, cavou a convocação de Tite para amistosos da seleção brasileira neste mês.

– O Matheus Henrique, apesar de ser garoto, vem jogando muito, não à toa chegou a Seleção. Tem que continuar o que vem fazendo. Não tem que se preocupar com mais nada. Passo tranquilidade, confiança, as coisas necessárias para chegar dentro do campo e estar com a cabeça tranquila. Preparo o grupo para jogar. O resto digo que eu tomo conta. O jovem precisa do experiente e o experiente precisa da juventude também – afirma o técnico Renato Gaúcho.

No ano passado, estreou na competição em plena quartas de final e atuou no 4 a 0 sobre o Atlético Tucumán, na Arena. Evoluiu de opção no elenco a titular absoluto em um pulo.

Matheus “roubou” o bastão de Maicon, atualmente reserva de Michel, e tornou-se responsável pelos primeiros passes na construção ofensiva do Grêmio.

Começou esta Libertadores de 2019 fora do time, mas foi alçado para a escalação na vitória por 3 a 1 sobre o Rosario Central, na Arena, início da retomada gremista na competição, ao lado de Jean Pyerre.

Saída e retorno

Matheus Henrique é um dos pupilos de Renato. O treinador sempre se disse fã do garoto, puxado das categorias de base no ano passado. O volante era meia e jogava pelo lado direito.

Passou pelo Grêmio em 2013, mas foi dispensado e retornou ao São Caetano, clube de onde havia saído. Depois de uma Copa São Paulo, o destino colocou três propostas sobre sua mesa, entre elas uma do Tricolor. A opção foi pelo velho conhecido.

– Eu decidi vir para o Grêmio porque confiava que tinha uma nova história aqui para mim. E não foi diferente. Tudo o que estou vivendo, quem está me proporcionando é o Grêmio – explicou Matheus Henrique no Troca de Passes, do SporTV.

Em nova posição, o sonho da Seleção

Em Porto Alegre, o jovem de 21 anos não chegava a ser nome citado na base. Uma percepção do então técnico do time de transição gremista, César Bueno, praticamente abriu uma nova carreira para o jovem. Antes meia, pela direita ou pelo centro, Matheus Henrique foi recuado e passou a olhar o jogo de frente.

Adaptou-se bem à nova função e nunca mais saiu. No time principal, outro garoto encantava: Arthur. Até por isso, Bueno acreditou no caminho aberto para um novo volante mais baixo, mas que esbanjava qualidade técnica.

– O momento do Arthur contribuiu. Se fosse dois ou três anos antes, o Grêmio talvez não aceitasse esse tipo de jogador. Antes a torcida do Grêmio vibrava mais com o 5 do que com o 10. É a característica que o Grêmio está se utilizando. Essa categoria, jogando da mesma forma do profissional e treinando no mesmo local, cria uma adaptação mais fácil – destaca César Bueno.

O ápice do volante chegou no dia 20 de setembro, quando apareceu na lista de Tite para os amistosos da seleção brasileira contra Nigéria e Senegal, na metade de outubro. Foi avisado por companheiros durante o treinamento. Depois, concedeu entrevista coletiva e disse estar “emocionado” com a lembrança do treinador.

Ao todo, Matheus Henrique tem sete partidas disputadas nesta Libertadores. A mais importante delas começa a partir das 21h30, na Arena, contra o Flamengo.



Veja também