Por Giovani Mattiollo
- Às 12:06
3

Foto: André Durão

Um caldeirão aguarda o Grêmio na quarta-feira, pelo primeiro jogo das quartas de final da Libertadores. A torcida do Botafogo já comprou cerca de 30 mil ingressos para o duelo no Engenhão. E o retrospecto recente da equipe nas partidas fora de casa reforça os cuidados de Renato Portaluppi . Dos últimos quatro compromissos, o Tricolor perdeu todos, sendo dois com a equipe titular.

Antes desta sequência incômoda, o Grêmio chegou a contabilizar nove vitórias e dois empates em 13 partidas fora de casa. No primeiro turno do Brasileirão, somou mais pontos longe de Porto Alegre e acumulou gordura para permanecer na segunda posição, mas derrapa para diminuir a diferença ao líder Corinthians e vê a aproximação do Santos, terceiro colocado. Nos mata-matas de Copa do Brasil e Libertadores, também avançou com triunfos como visitante (Fluminense, Godoy Cruz e Atlético-PR).

Depois de passar um mês inteiro – ou nove jogos – invicto, entre Copa do Brasil, Brasileirão e Libertadores, o Grêmio foi derrotado justamente pelo alvinegro carioca, na 20ª rodada do campeonato nacional. Naquele 13 de agosto, a escalação usada por Portaluppi foi reserva, assim como o rival, diga-se de passagem.

A sequência teve o revés mais dolorido do ano. Com o Mineirão lotado, o Tricolor levou 1 a 0 do Cruzeiro na segunda partida da semifinal da Copa do Brasil e acabou eliminado nos pênaltis. Após uma semana, pelas quartas de final da Primeira Liga, voltou a Belo Horizonte e perdeu novamente para a Raposa, desta vez por 2 a 0, novamente com time reserva.

A série negativa aumentou na noite do último sábado, quando Renato colocou a equipe principal no gramado de São Januário e tomou 1 a 0 do Vasco, mesmo com portões fechados. A atuação “mole”, conforme o treinador qualificou, gerou cobrança interna.

– Há certas coisas que eu converso com meu grupo no vestiário, no hotel, na hora do vídeo que é melhor não falar aqui. O que tiramos de exemplo para quarta-feira é que não podemos jogar assim. Demos muito mole, com todo respeito ao Vasco. Criamos muito pouco – avaliou Portaluppi.

Grêmio fora de casa em 2017

  • 28 jogos
  • 12 vitórias
  • 6 empates
  • 10 derrotas
  • 40 gols marcados em 75% dos jogos
  • 31 gols sofridos em 68% dos jogos
  • 50% de aproveitamento

Por outro lado, chama atenção que o time não fez um gol sequer nas últimas quatro derrotas, algo pouco usual na conjuntura tricolor. Desde seu retorno ao comando técnico, Renato exalta a busca incessante pela vitória mesmo que não esteja na Arena. Em 28 partidas no ano longe de seus domínio, até o momento, balançou as redes 40 vezes, em 75% dos oportunidades.

A estatística fala por si só para atenuar a preocupação diante do Botafogo, no Engenhão, na quarta-feira. Depois de cair na Copa do Brasil, o caminho mais próximo do título que o clube tanto almeja para 2017 é a Libertadores. Então, os jogadores já encaram os primeiros 90 minutos do confronto como o “jogo da vida”.

– Sabemos que quarta é outra competição, tão importante quanto o Brasileiro. São dois jogos. Agora é esfriar a cabeça, ver o que a equipe não fez de legal e dar a vida contra o Botafogo – resumiu o goleiro Marcelo Grohe.

Na tabela do Brasileirão, o Grêmio segue em segundo, com 43 pontos – sete a menos do que o Corinthians e dois a mais do que o Santos. No próximo domingo, recebe a Chapecoense em casa. Antes, porém, entra em campo às 21h45 de quarta-feira, no primeiro jogo das quartas de final da Libertadores diante do Botafogo.


Comentários