Por Giovani Mattiollo
- Às 17:36
6

Isadora Neumann / Agencia RBS

No último fim de semana, o Grêmio visitou o Bahia com nove desfalques em seu plantel. Para o próximo sábado (8), contra o Fortaleza, Cortez e Luan voltaram a treinar e têm chances de reaparecer na equipe, mas ainda assim a lista de ausências segue grande — mesmo tirando Everton e Matheus Henrique, convocados para as seleções principal e olímpica. O departamento médico gremista tem sido muito visitado nos últimos tempos.

— Não adianta ficar reclamando de desfalques. Eu sempre falo para vocês que tenho um grupo. Infelizmente, no futebol, você vai ter jogadores suspensos, convocados, machucados. E nós temos estes jogadores importantíssimos fora de combate — declarou o técnico Renato Portaluppi após a derrota em Salvador.

No caso gremista, não é possível atestar um problema na preparação física do clube, pois as lesões musculares não são o motivo de todos os desfalques. Dos seis atletas que ainda inspiram cuidados dos médicos, três (Marcelo Oliveira, Kannemann e Alisson) sofreram traumas, ocasionados por choques ou entorses.

O comandante gremista poderia usar a sequência de jogos, com Brasileirão, Libertadores e Copa do Brasil que se acumulam no calendário, como explicação para o número de lesões. Porém, o Tricolor não é o único que disputa estes campeonatos ao mesmo tempo. Outros cinco clubes têm a mesma dificuldade e, nem por isso, colecionam atletas na enfermaria.

Curiosamente, o rival Inter é um dos que mais se aproxima do Grêmio neste quesito. Atualmente, três jogadores desfalcam o time de Odair Hellmann: Rodrigo Dourado, Moledo e Patrick — com possibilidade de que o último retorne na sexta-feira (7), contra o Vasco.

Já o Cruzeiro, embora tenha perdido Thiago Neves no início do ano, tem um um vestiário menos atribulado por questões médicas. Atualmente, os laterais Edilson e Orejuela não têm participado das partidas. Já o atacante Raniel foi liberado para voltar aos trabalhos com bola, mas ainda não foi utilizado pelo técnico Mano Menezes.

Ao longo do ano, o Flamengo superou diversas lesões. Diego Alves, Rodrigo Caio, Cuellar, Rhodolfo e Vitinho chegaram a ser afastados. Hoje, no entanto, todos estão liberados para entrar em campo.

— O Flamengo vem sofrendo poucas baixas, diferente do que aconteceu nos últimos anos em que o calendário apertado e a sobrecarga de jogos acabaram prejudicando o time. O Abel Braga, quando assumiu a equipe, foi bem claro que iria rodar o elenco. E foi isso que ele acabou fazendo e, de certa forma, deu certo, pois teve poucos jogadores machucados — comenta Wilson Pimentel, editor-chefe do site Esporte 24 Horas.

O mesmo motivo é apresentado do lado palmeirense para explicar a ausência de lesionados. Na última rodada, quando a equipe paulista venceu a Chapecoense, só o zagueiro Luan, que sentiu um desconforto na virilha, foi preservado. 

— O Palmeiras teve pouquíssimos problemas por lesões neste ano. Umas duas, no máximo. Teve o meia Gustavo Scarpa, que foi uma lesão rara, nem foi muscular (rasgou parcialmente o tecido fibroso que une o músculo ao osso da perna). O Felipão roda bastante o elenco para justamente não ter esse problema — atesta Leandro Boudakian, repórter da Rádio Transamérica de São Paulo.

No caso do Athletico-PR, que além das três competições ainda jogou a Recopa Sul-Americana contra o River Plate, há duas ausências atualmente: Thiago Heleno e Camacho, flagrados em exame antidoping. As lesões, no entanto, não tem atrapalhado o técnico Tiago Nunes ao longo desta temporada.

— O fato de poupar o time principal no Estadual e dar uma pré-temporada decente ajuda muito na prevenção das lesões. Os últimos anos têm sido assim. Peca um pouco em ritmo de jogo, mas acaba se sobrepondo na parte física contra a maioria dos times que geralmente chegam em setembro e estão cansados e com diversas lesões — analisa Felipe Dalke, repórter da Rádio Banda B, de Curitiba.

Grêmio

Paulo Miranda: lesão muscular na coxa direita (afastado há 80 dias)
Marcelo Oliveira: rompimento dos ligamentos do joelho direito (60 dias)
Cortez: lesão muscular coxa esquerda (28 dias)*
Kannemann: trauma em vértebra da coluna (25 dias)
Luan: estiramento muscular (25 dias)* 
Alisson: entorse no tornozelo direito (11 dias)


Comentários