Por Giovani Mattiollo
- Às 06:23
53

O Conselho Deliberativo do Grêmio aprovou na noite desta terça-feira a alteração no estatuto do clube para permitir que o presidente Romildo Bolzan Júnior concorra à reeleição pela segunda vez. No fim do ano, o Tricolor terá novo pleito para definir o mandatário pelo triênio 2020/21/22. A decisão agora precisa passar pelo voto do associado.

Na votação em sessão na Arena nesta noite, 220 conselheiros votaram a favor da mudança e apenas um postou-se contrário. O presidente Romildo se absteve.

Agora, o Grêmio pretende consultar a Autoridade Pública de Governança do Futebol (APFut), órgão federal criado para controlar a situação dos clube de acordo com a Lei do Profut, para tomar qualquer tipo de atitude em relação à eleição de novembro. Depois, a decisão precisar submetida à Assembleia Geral dos Sócios para sua homologação.

A interpretação surgiu a partir de uma brecha no estatuto, que fala em liberar apenas uma reeleição. No entanto, foi aprovado pelos sócios em setembro de 2015 uma mudança no tempo de mandato dos presidentes de dois para três anos.

Romildo já estava no cargo naquele ano. Portanto, concorreu apenas na eleição de 2017 no atual modelo. A mudança seria justamente buscar a reeleição sob o estatuto atual, com três anos de mandato.

Romildo foi eleito presidente do Grêmio em outubro de 2014. A partir de então, comandou uma reestruturação financeira do clube em tempos de dificuldade econômica. Em novembro de 2016, acabou reeleito por outros três anos. À frente do clube, conquistou a Copa do Brasil (2016), a Libertadores (2017), o Gauchão (2018), a Recopa (2018) e a Recopa Gaúcha (2019).

Números positivos

A reunião também apresentou os resultados financeiros do exercício de 2018. O Grêmio reduziu as dívidas bancárias de curto e longo prazo e fechou o ano passado com um superávit de R$ 53 milhões, turbinado pela venda de Arthur ao Barcelona. É o terceiro ano seguido que o Tricolor atinge resultados positivos na sua gestão financeira.


Comentários