Antes inquestionável, artilheiro da Arena e centro técnico do Grêmio de Renato Portaluppi, Luan parece ter se tornado secundário. O dono da camisa 7 teve má atuação contra a Universidad Católica, no Chile, e foi colocado em um programa para recuperar a foma física.

Sem Luan, abre-se a oportunidade para que um novo jogador assuma a criação – e até a conclusão – das jogadas do Tricolor. O primeiro teste neste laboratório é hoje, às 16h, na Arena, contra o São Luiz. Mas quem será o escolhido?

Apesar de estar invicto, com o melhor ataque e a melhor defesa do Gauchão, a partida de volta da semifinal do Gauchão não é um jogo qualquer. Com a derrota na Libertadores, o Grêmio subiu para três o número de jogos sem marcar – os demais foram dois 0 a 0 com Juventude e o próprio Rubro. Precisa marcar e não sofrer gols para ir à decisão contra o Inter. E o artilheiro do time na competição é justamente… Luan!

– Ele se preparará melhor e, quando voltar, nos ajudará – disse Renato, na sexta-feira, após o treino e antes da concentração dos jogadores. – Não é porque não ganhamos na Libertadores que é ele o culpado. Faço pelo bem dele. Ele sabe que precisa fazer trabalhos físicos. Quando voltar, vocês verão diferente. Ninguém desaprende a jogar. Se foi o melhor da América, ele não desaprendeu.

Para o jogo deste domingo, Renato pode promover o jovem Jean Pyerre e manter Diego Tardelli no comando do ataque. Seria o mais simples. Mas Renato pode recuar Tardelli para a armação e escalar André como centroavante para segurar os marcadores. Ou ainda testar Matheus Henrique como construtor e encontrar um lugar para o garoto de quem o treinador se diz admirador.

Veja as principais características e as estatísticas dos jogadores que disputam uma vaga no luga de Luan. Lugar temporário que, conforme o desempenho, pode se tornar cativo:

Jean Pyerre

Jean Pyerre foi um dos destaques na vitória do Grêmio contra o São José — Foto: Lucas Uebel/DVG/Grêmio

Jean Pyerre foi um dos destaques na vitória do Grêmio contra o São José — Foto: Lucas Uebel/DVG/Grêmio

É a opção mais lógica. Foi ele quem substituiu Luan em San Carlos de Apoquindo contra a Universidad Católica e é ele quem atua nesta função nos jogos da equipe alternativa. Em 2019, jogou 12 vezes e ainda não marcou. Até porque seu estilo é menos finalizador do que Luan e mais criativo. No entanto, é o homem das bolas paradas e, no jogo com o Rosario Central, na Argentina, se encarregou de cobrar uma falta que estava para Luan.

Diego Tardelli

Diego Tardelli atacante Grêmio — Foto: Lucas Uebel / Grêmio F.B.P.A.

Diego Tardelli atacante Grêmio — Foto: Lucas Uebel / Grêmio F.B.P.A.

Tem um gol em quatro jogos. Porém, em apenas um deles atuou por 90 minutos. Ganhou ritmo, nas últimas partidas, e procurou demonstrar que pode atuar em qualquer uma das quatro funções do ataque gremista contra a Católica. Contudo, sucumbiu junto ao restante do time. Na chegada ao clube, ele admitiu que prefere jogar como um segundo homem de ataque:

– Embora use a (camisa) número 9, não sou um atacante de referência. Gosto de cair pelos lados, pelo meio, fazer a função do Luan e do Cebolinha, respeitando os dois. Estando bem fisicamente, posso suportar essas funções.

Matheus Henrique

Matheus Henrique — Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Matheus Henrique — Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Renato já admitiu ter um encantamento pelo volante. Nesta temporada, ele atuou em 10 oportunidades e balançou as redes uma vez. Nos nove jogos do gauchão, acertou 584 passes e tem um aproveitamento de 96,3%, segundo o Footstats. É dono do segundo melhor aproveitamento neste quesito, atrás apenas do capitão Maicon. Números suficientes para cavar um lugar entre os titulares. O que pesa contra ele é ser volante de origem e jogar de área a área.


Comentários